“A criminalização midiática do sex offender” , de Deivid Willian dos Prazeres

07/09/2017

Por Redação – 07/09/2017


A criminalização midiática do sex offender, de Deivid Willian dos Prazeres, é mais uma obra publicada pela Editora Empório do Direito e nossa dica de hoje!


“Você tem o Direito de saber que seu vizinho foi processado ou condenado criminalmente por crime sexual? A nossa primeira resposta é sim, afinal de contas parece que o Estado deve informar as pessoas sobre os riscos que correm. O medo, o receio, a angústia, o caldo emocional carregado em face do caso de Megan, a menina morta que leva o nome da Lei, indicam que essa perspectiva seria proveitosa. Com ela, dizem, pode-se tomar medidas de cautela com os sex offenders.
A péssima notícia é que os dados estatísticos, depois de mais de 10 (dez) anos de aplicação da Lei, demonstram para a irrelevância da medida, bem assim de seus enormes custos monetários e emocionais.” 


Alexandre Morais da Rosa


“Poucos são aqueles que ousam escrever, menos ainda aqueles que se arvoram em publicar e quase ninguém consegue apresentar um trabalho de valor, entretanto, para criticar, muitos são aqueles que se apresentam. Mas um detalhe: para criticar esse trabalho, certamente o senso comum não conseguirá passar da introdução.”


Thiago M. Minagé


“Crítico ferrenho e inveterado do sistema penal e do status quo, o colega de fino trato pós graduou-se em Ciências Criminais e concilia de maneira ímpar a teoria com a prática, exercendo a profissão com coragem e desapego exigidos nas batalhas forenses, e este trabalho com que nos brinda é prova inconteste dessa conexão entre o pragmatismo e a dogmática.”


Hélio Rubens Brasil







Para garantir seu exemplar entre em contato através do vendas@emporiododireito.com.br




Tem interesse em publicar seu livro????

Entre em contato através do email: editora@emporiododireito.com.br

Confira nossas publicações aqui.




 

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura