Negada ação de moradora que consumiu eletricidade e não pagou a conta

01/11/2017

A 23ª Câmara Cível/Consumidor do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) negou o recurso de uma moradora que pedia indenização, insatisfeita com o corte de energia elétrica e a lavratura do Termo de Ocorrência de Irregularidade (TOI) durante a inspeção realizada no relógio da sua residência.  


Ela entrou com a apelação inconformada contra a decisão do juízo da 14ª Vara Cível, que já tinha declarado a improcedência da ação e recomendado a sua extinção. Em seu voto, o relator na 23ª Câmara Cível ressaltou que o laudo pericial concluiu que o medidor instalado na residência não registrou o consumo de energia elétrica durante cinco anos. A reclamante não justificou nem contestou quando o seu relógio esteve “zerado” no período.  


 “Ora, quem possui e consome energia elétrica sabe que ela não é gratuita. Assim, se mesmo consumindo o insumo não paga nada por ele, não pode alegar desconhecimento, boa-fé ou se apegar a possíveis irregularidades do TOI", apontou o desembargador. 


Fonte: TJRJ


Imagem Ilustrativa do Post: Secretaria do Planejamento // Foto de: Prefeitura de Belo Horizonte // Sem alterações


Disponível em: https://www.flickr.com/photos/portalpbh/8135776881/ 


 


Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura