Liminar suspende alguns dos serviços prestados por cartórios

24/12/2017

A eficácia da Lei de Registros Públicos (Lei 6.015/1973), que possibilita a prestação de outros serviços remunerados por parte dos ofícios de registro civil das pessoas naturais, foi suspensa pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o portal do Supremo Tribunal Federal, “a concessão do pedido de liminar, a ser referendada pelo Plenário do STF, se deu na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5855, ajuizada pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB)”.


Em sua decisão o ministro esclarece que “a lei não fornece elementos para a identificação das atividades autorizadas a serem desempenhadas pelos ofícios de registro das pessoas naturais”. O portal do SFT ainda afirma: “segundo o relator, consta da petição inicial que o debate parlamentar da emenda que acrescentou essa previsão ao texto original da Medida Provisória 776 sugere que o escopo dessa iniciativa diria respeito à emissão de documentos públicos como passaportes, CPF, carteira de trabalho e afins”.


A jurisprudência, conforme o relator, caracteriza a inconstitucionalidade formal de normas sobre os serviços que não sejam editados por iniciativa dos respectivos tribunais.


 


Para ler a decisão na íntegra clique aqui.


 


Fontes: STF


            Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos


 


Imagem Ilustrativa do Post: Assinando // Foto de: Marcelo Almeida  // Sem alterações


Disponível em: https://flic.kr/p/9eZQ7


Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura