Bancária com deficiência auditiva será indenizada por ausência de intérprete de Libras em reuniões

16/10/2017

Por Redação: 16/10/2017


A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou um banco a indenizar uma bancária com deficiência auditiva que, em reuniões, não contava com intérprete na Lingua Brasileira de Sinais (Libras).


Na reclamação trabalhista, a bancária, que se comunicava apenas por Libras, disse que foi difícil se adaptar ao ambiente de trabalho e que em raras oportunidades havia intérprete para ajudá-la. Alegando ausência de acesso à comunicação ideal para deficiente físico e violação do Estatuto da Pessoa com Deficiência, pediu indenização por dano moral. 


Na contestação, o banco sustentou que os funcionários com deficiência não tinham metas, e podiam realizar suas atividades dentro dos seus limites. Também alegou que não houve qualquer dano extrapatrimonial à bancária para justificar eventual indenização.  


O juízo de primeiro grau arbitrou o valor da indenização em R$ 5 mil. A decisão levou em conta que, de acordo com a única testemunha apresentada pela bancária, somente em algumas reuniões mensais não havia intérprete. Embora considerando que o banco descumpriu, por vezes, a promoção de acessibilidade da bancária, em afronta à Lei 10.098/2000, que estabelece normas e critérios para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência.


Processo: AIRR-2463-55.2014.02.0029


Fonte: TST


Imagem Ilustrativa do Post: Reunião Piracicaba // Foto de: Fundação Matutu // Sem alterações


Disponível em: https://www.flickr.com/photos/fundacao_matutu/7637329778/


 


Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura