Título: (Des) Igualdade de gênero nas relações do trabalho

Autor: Júlia Melim Borges Eleutério

Código de Barras: 9788594770875

Páginas: 176

Valor: R$ 50,00

ISBN: 978-85-9477-087-5

R$ 50,00

+ Carrinho

Calcular frete

Faça login ou cadastre-se para calcular o frete.

A pesquisa busca identificar em que medida a desigualdade de gênero ocorre nas relações do trabalho e quais as principais formas de discriminação contra a mulher. A autora reflete sobre a possibilidade da desconstrução da cultura machista na sociedade e no ambiente de trabalho através de um novo paradigma relacional. O estudo baseia-se em pesquisa bibliográfica do campo jurídico, da filosofia e da sociologia e a partir da análise da problemática envolvendo a modernidade, a autora apresenta uma reflexão sobre o cenário da atualidade, cujas relações e

conflitos relacionados à desigualdade de gênero estão inseridos. A autora propõe um olhar interdisciplinar para reconhecer a necessidade do diálogo entre os campos do conhecimento para que novas respostas possam ser reconhecidas pelo campo jurídico. A partir de uma investigação sobre os conceitos e fenômenos relacionados à modernidade, a autora identifica a

desigualdade de gênero neste espaço e a necessidade de sua superação, partindo para a compreensão do contexto jurídico e social da mulher na sociedade. Por fim, a autora faz uma reflexão quanto às violências discriminatórias sofridas pelas mulheres e a respectiva superação da violência a partir de um novo paradigma relacional que tem por base a desconstrução da cultura machista.

Título: (Des) Igualdade de gênero nas relações do trabalho

Autor: Júlia Melim Borges Eleutério

Código de Barras: 9788594770875

Páginas: 176

Valor: R$ 50,00

ISBN: 978-85-9477-087-5

PREFÁCIO

INTRODUÇÃO .13

CAPÍTULO 1

(IN) DETERMINAÇÃO DO TEMPO: QUAL O CENÁRIO ATUAL? .17

1.1. A IDEIA DA MODERNIDADE E OS PADRÕES SOCIAIS IMPOSTOS: UMA CULTURA MACHISTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

1.2. O SENTIDO DA PÓS-MODERNIDADE E A CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA CULTURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

CAPÍTULO 2

A CRISE DO PENSAMENTO JURÍDICO E A INTERDISCIPLINARIDADE EM TEMPOS DE (DES) IGUALDADE DE GÊNERO .39

2.1. POR QUE O DIÁLOGO INTERDISCIPLINAR? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

2.2. DIREITO COMO PROPULSOR DA JUSTIÇA SOCIAL? . . . . . . . . . . . 45

2.3. O LIMITE DO DIREITO E NOVOS PARADIGMAS RELACIONAIS . 54

2.4. PROPOSTA INTERDISCIPLINAR COMO CONTRIBUIÇÃO À VALIDAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E “NOVO” DIREITO PELO FIM DA DESIGUALDADE DE GÊNERO . . . . . . . . 57

CAPÍTULO 3

(DES) IGUALDADE DE GÊNERO E O AVANÇO DOS DIREITOS DAS MULHERES 63

3.1. IGUALDADE DE GÊNERO: FEMINISMOS PRA QUE? . . . . . . . . . . . 82

3.2. EVOLUÇÃO DA CONDIÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO E A GLOBALIZAÇÃO . . . . . . . . . . . . 94

3.3. (DES) IGUALDADE DE GÊNERO: A CONDIÇÃO JURÍDICA DA MULHER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

3.4. TRILHAS CONSTITUCIONAIS E OS DIREITOS DAS MULHERES . 113

3.5. A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988: AVANÇOS E RETROCESSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

3.6. DIREITO FUNDAMENTAL DO TRABALHO DA MULHER . . . . . . 125

CAPÍTULO 4

DISCRIMINAÇÃO DA MULHER NAS RELAÇÕES DE TRABALHO E A CULTURA DO MACHISMO .131

4.1. PROTEÇÃO AO TRABALHO DA MULHER: DA CF/88 ÀS LEIS INFRACONSTITUCIONAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

 

4.2. CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRATAMENTO ESPECIAL DESTINADO ÀS MULHERES NO ARTIGO 384 DA CLT 47

4.3. ASSÉDIO SEXUAL NO TRABALHO 52

CONSIDERAÇÕES FINAIS 161

REFERÊNCIAS 167

Sugestão de leitura dos autores

Você também pode gostar de:

Voltar