Um MAS na hora certa e você poderá decidir um julgamento - Por Mario Porto

11/11/2017


Imagem: Reprodução/Seriado Suits 


Colocar um “mas” ou a falta do mesmo pode ser a linha tênue entre ganhar e perder um julgamento. 


Tenho estudado a arte das palavras de poder. E é incrível como conjunções adversativas pouco apareçam entre elas. Contudo (olha uma aqui!), quando se trata de tribunal do Júri, estudos mostram o poder dessas conjunções. Cito o professor Elliot Wilcox como um dos que defendem veementemente essa ideia.


Quem nunca ouviu: “Tudo o que foi falado antes de um “mas” deve ser ignorado”?


“Mas”, “entretanto”, “todavia”, “porém”, “contudo”, essas palavras têm quase sempre apenas dois objetivos:


1 - Anular o que foi dito


2 - Enfatizar o que será dito,


Nesse segundo caso, inevitavelmente, ainda diminuirá o que foi dito antes.


Wilcox, um apaixonado pelo Tribunal do Júri reconhece que todo bom advogado mantém sua credibilidade e profissionalismo frente ao Júri ao saber reconhecer um ponto fraco de seu discurso e de aproveitar o ponto fraco da outra parte.


Por isso acredito que você deva desbravar esse senso comum e colher os resultados ao dominar essas duas simples técnicas:


- Saber identificar os pontos fracos de um discurso.


- Saber usar o “mas” na hora certa.



Imagem: Reprodução/nydailynews.com 


Sabe quando você está na rua e de repente escorrega ou cai de maduro? Você é do tipo que dá risada ou se levanta rápido fingindo que nada aconteceu? Nesse momento o instinto mais comum é disfarçar. E isso acontece com os nossos “escorregões” da vida. Sempre que escorregamos, tendemos a esconder as nossas falhas, nossos momentos vexaminosos. Porém, ao fazer isso na frente de um público atento, na verdade, você está subestimando-o. Nesse momento é quase capaz de ouvir o pensamento das pessoas em volta:


“É sério que ele acha que eu não percebi isso?!”.


Na maioria das vezes muitos percebem, e mesmo que só um tenha percebido, esse um passará adiante. Nessa hora é que sua credibilidade e profissionalismo podem ser postos em cheque.


No momento em que perceber uma brecha, seja ela sua ou da outra parte, reserve-a para um momento oportuno. Ao expor um ponto fraco acrescentando um simples “MAS” em seu discurso final, para aqueles que estão atentos, tudo que virá depois do “mas” será não só lembrado, como estará acima daquilo que foi falado anteriormente!


Isso te dará mais força, confiança, credibilidade e esse momento poderá ser decisivo para o júri!


Mas cuidado, pois essa é uma técnica de finalização segundo o Wilcox, já que no começo do julgamento os jurados têm poucas informações para trabalhar e ambos os advogados podem acabar entrando em uma briga de “mas” “mas” “mas”.


a) Use-o em seu discurso final, começando com todos os pontos fracos identificados e que ficaram nítidos


b) Dê uma pequena pausa e enfatize o “MAS” com a intenção de deixar claro que a verdade absoluta virá a seguir


c) Mais uma pequena pausa para deixar que os interlocutores e principalmente os jurados anseiem pelo que irá falar


d) e finalmente, encerre seu discurso com todas as principais armas e argumentos mais fortes que você tem ao seu dispor.


...FIM!


Ter o domínio da oratória nesse momento fará toda a diferença, prepare-se antes, domine o assunto e as possíveis objeções, e cada ferramenta será uma arma poderosíssima a seu favor, até mesmo, um simples.... “MAS”!



Imagem: Reprodução/Seriado Suits 


Faça o teste, substitua o “mas” por “e”, tire ele, substitua por outras palavras, mude a frase, e no final veja o impacto que o “mas” pode ter!


 


Imagem Ilustrativa do Post: Legal Gavel & Closed Law Book // Foto de: Blogtrepreneur // Sem alterações


Disponível em: https://www.flickr.com/photos/143601516@N03/27571522123


Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura