Sexo, amor, inteligência, sensibilidade

12/07/2017

Por Léo Rosa de Andrade – 12/07/2017


Ela: – De repente, temos vontade de alguém: uma pessoa se consubstancia como gosto, faz-se, sem ato objetivo de fazimento, objeto de nosso interesse. Nos expomos, em busca do acontecimento. Acontece.


Ele: – Instala-se o desejo, à revelia, muita vez com a contrariedade do desejante. Eis, até parece, o propósito, como se propósito houvesse, de os corpos se encontrarem, curtirem-se. Vencido o desejo, vencida a relação.


Ela: – Haveria um propósito no encontro de corpos? Não penso assim. É acaso... É despropositado. Propósitos diversos, noutros tempos, aproximaram corpos, comprometeram corpos. Desejo é coisa despropositada.


Ele: – Sim, e anda solto de cumprir. A realização do desejo está descompromissada de selos de eternidade. Talvez essa seja a melhor substância da gramática afetiva não sólida: desfazer-se quando acaba.


Ela: – Sim, a relação afetiva está mais submetida à vontade pessoal, liberou-se muito do institucional. Adotou o discurso do momento prazeroso, desconstruiu o compromisso de eternidade a qualquer custo.


Ele: – Mas, aí, não há uma confusão? As coisas não se estão convertendo em puro fazer sexo, e sem desejo? Isso tem sentido? O sexo descompromissado, não voltado ao objeto do desejo, apazigua o ser desejante?


Ela: – O ser desejante não dorme em paz depois do sexo pago, do pornô, da masturbação? São duas coisas. Entre o tesão e o orgasmo há a cultura, é claro... Mas o primitivo pulsante é a busca de orgasmo.


Ele: Olha o dizer de uma mulher, Marguerite Duras: “Não é fazer sexo o que conta, mas sim ter desejo. Há muita gente que faz sexo sem desejo. Eu soube desde criança que o universo da sexualidade era fabuloso, enorme”.


Ela: São coisas diferentes, ambas tão humanas. Não nos neguemos o primitivo. Sim, há essa pulsão, essa cultura, esse insaciável, essa vontade sem objeto que nunca se sacia: o desejo sem objeto. E há o instinto, puro sexo.


Ele: – Marguerite não as separaria. Ela diz de uma latência que jamais se acalma: “Quero saber o que se encontra na origem do erotismo, o desejo. O que não é possível, e, talvez, não se deve apaziguar com o sexo”.


Ela: – Não há paz possível. Somos corpos sem essência. Nossa existência se vai inscrevendo em nós, jamais estaremos terminados. Isso angustia. Um outro, a interlocução, talvez alguém nos acalme. É o possível.


Ele: – Os casos vindos do acaso? Acontecimentos dos corpos nos encontros com o mundo? Não ficam. Episódios amorosos não perduram. Há quem se ajeite para caber nas expectativas do outro. Falseiam-se, logo se revelam.


Ela: – Olha... Pensa em escolhas possíveis. Não te permitas só o acaso. Elege e então procura. E procura e procura... Procura alguma coincidência de vontades. Um tipo... Inteligência, sensibilidade, erotismo... Vontade.


Ele: – Um alguém que faça da vida uma obra de arte? Encontros com o mundo, como disse Espinosa? Cuidado em edificar-se com grandeza e buscar elevação, como quis Nietzsche? Um controle dos afetos, de si, do outro?


Ela: – Um tanto complexo... Nada complicado. Comportamos uma animalidade. Não a neguemos; não nos reduzamos a ela. Muitos humanos abstraem-se de sua origem. O organismo quer orgasmo. Mas, sim, orgasmo não basta.


Ele: – Amor? Seria? Ian McEwan: “O amor não é sempre uma virtude, pode ser uma ferramenta muito controladora. Nunca estive de acordo com a canção dos Beatles All you need is love. Também preciso de inteligência”.


Ela: – Sim... Inteligência e sensibilidade, qualificadoras da humanidade. Amor sem inteligência e sensibilidade é controle, raiva, maldade. Mas... retomo:  como não basta só sexo, não basta só amor. Não é verdade?




. . Léo Rosa de Andrade é Doutor em Direito pela UFSC e Professor da UNISUL (SC). . . .




Imagem Ilustrativa do Post: It's 'cos you're gone now but your heart still remains.. // Foto de: Neal Fowler // Sem alterações


Disponível em: https://www.flickr.com/photos/31878512@N06/4272132516


Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode




O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.




 

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura