Título: O Direito à Não Autoincriminação no Caso do Etilômetro: Um Estudo Comparado Sobre o Princípio "Nemo Tenetur Se Detegere"

Autor: José Antônio Ceccato Júnior

Código de Barras: José Antônio Ceccato Júnior

Páginas: 206

Valor: R$ 70,00

ISBN: José Antônio Ceccato Júnior

R$ 70,00

+ Carrinho

Calcular frete

Faça login ou cadastre-se para calcular o frete.

A presente obra representa minha Tese de Doutorado defendida na Universidade Gabriele D’Annunzio,
na Itália, originalmente escrita em italiano e agora traduzida para a língua portuguesa. Após estudo do direito à não autoincriminação no Trabalho de Conclusão de Curso de minha graduação em Direito, resolvi aprofundar a matéria no exterior, realizando Doutorado de Pesquisa na Itália (com período de pesquisa também na Espanha) que possibilitou expandir a abordagem sobre o princípio nemo tenetur se detegere. Fora realizado, então, estudo comparado sobre a garantia contra a não autoincriminação nos ordenamentos jurídicos italiano, brasileiro e espanhol, no intuito de verificar sua incidência nas provas que dependem de uma colaboração do acusado, em especial a realização do bafômetro e eventual recusa em soprar o aparelho. As conclusões podem ser controversas, mas as hipóteses foram lançadas, com a devida fundamentação. Convido os estudiosos e operadores do Direito, assim, à leitura da obra, esperando possa ser de utilidade prática e acadêmica.

Título: O Direito à Não Autoincriminação no Caso do Etilômetro: Um Estudo Comparado Sobre o Princípio "Nemo Tenetur Se Detegere"

Autor: José Antônio Ceccato Júnior

Código de Barras: José Antônio Ceccato Júnior

Páginas: 206

Valor: R$ 70,00

ISBN: José Antônio Ceccato Júnior

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1
INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

CAPÍTULO 2
AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO PENAL . . . . 13
2.1. A LIBERDADE INDIVIDUAL COMO GARANTIA INVIOLÁVEL . . . 14
2.2. A GARANTIA DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA . . . . . . . . . . 18
2.3. A PROIBIÇÃO DA PENA DE MORTE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

2.4. O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE E SEU PAPEL POLÍTICO-
SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

2.5. O PRINCÍPIO DO JUIZ NATURAL COMO GARANTIA DE
IMPARCIALIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24
2.6. A ESSENCIALIDADE DOS DIREITOS DE DEFESA . . . . . . . . . . . . . . 25
2.7. A PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA COMO PRINCÍPIO REITOR
DO PROCESSO PENAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.8. O DEVIDO PROCESSO LEGAL EM TODAS AS SUAS NUANCES . . 31
2.8.1. A garantia do contraditório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.8.2. A garantia da igualdade entre as partes no processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.8.3. A garantia de um juiz terceiro e imparcial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.8.4. A garantia da razoável duração do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
2.9. OS DIREITOS DO ACUSADO NO PROCESSO PENAL . . . . . . . . . . . 36
2.10. A GARANTIA DO CONTRADITÓRIO NA FORMAÇÃO DAS
PROVAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.11. O DIREITO AO SILÊNCIO E A GARANTIA CONTRA A NÃO
AUTOINCRIMINAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.12. A GARANTIA DA MOTIVAÇÃO DAS DECISÕES JUDICIAIS . . . . . . 40
2.13. A GARANTIA DO DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO . . . . . . . . . . . . . . 41

CAPÍTULO 3
O PRINCÍPIO NEMO TENETUR SE DETEGERE: ORIGEM E
EVOLUÇÃO HISTÓRICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.1. ORIGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.1.1. Antiguidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.1.2. Civilizações clássicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.1.3. Idade Média . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.1.4. Idade Moderna e Contemporânea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.2. EVOLUÇÃO HISTÓRICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.2.1. O desenvolvimento do nemo tenetur se detegere na Inglaterra . . . . . . . . . . . . 50

3.2.1.1. Cortes eclesiásticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.2.1.2. Cortes de Common Law . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.2.1.3. Il Criminal Evidence Act de 1898 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
3.2.2. O Privilege against self-incrimination nos Estados Unidos . . . . . . . . . . . . . . . 54

CAPÍTULO 4
O DIREITO À NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO NO
ORDENAMENTO JURÍDICO ITALIANO E SUA INCIDÊNCIA
NA DILIGÊNCIA POLICIAL DO ETILÔMETRO: UMA
ANÁLISE ACERCA DO ALCANÇE DO NEMO TENETUR SE
DETEGERE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.1. O PRINCÍPIO NEMO TENETUR SE DETEGERE NO
ORDENAMENTO JURÍDICO ITALIANO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.1.1. No Reino da Itália . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.1.2. A legislação italiana post unitária: os códigos de processo penal de 1865 e
1913 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
4.1.3. O Código de processo penal de 1930: os conceitos fundamentais da
doutrina fascista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.1.4. A Constituição da República Italiana e os direitos de liberdade do acusado . . . . 65
4.1.5. O novo inciso terceiro do artigo 78 do Código de Processo Penal . . . . . . . . 68
4.1.6. O Código de Processo Penal de 1988: interrogatório e exame do imputado . . . 74
4.2. O PRINCÍPIO NEMO TENTETUR SE DETEGERE NAS
PROVAS DO PROCESSO PENAL QUE DEPENDEM DE UMA
COLABORAÇÃO ATIVA DO ACUSADO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.3. A INCIDÊNCIA DO PRINCÍPIO NEMO TENETUR SE
DETEGERE NA DILIGÊNCIA POLICIAL DO ETILÔMETRO . . . . . . 87
4.3.1. Sobre a normativa do delito de guida in stato di ebbrezza . . . . . . . . . . . . . . 87
4.3.1.1. O delito de guida in stato di ebbrezza no testo unico delle norme sulla
circolazione stradale de 1959 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
4.3.1.2. O Decreto Ministeriale n. 196, de 1990 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
4.3.1.3. O novo Codice Della Strada de 1992 e a aferição do delito de guida in
stato di ebbrezza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
4.3.2. A extensão dos valores do princípio nemo tenetur se detegere à diligência do
etilômetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

CAPÍTULO 5
O PRINCÍPIO NEMO TENETUR SE DETEGERE NO
ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO E SUA
INCIDÊNCIA NAS INTERVENÇÕES CORPORAIS DO
PROCESSO PENAL: ANÁLISE ACERCA DO DELITO DE
EMBRIAGUEZ AO VOLANTE E DE SUA CONSTATAÇÃO
ATRAVÉS DO ETILÔMETRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.1. O PRINCÍPIO NEMO TENETUR SE DETEGERE COMO
DIREITO FUNDAMENTAL NA ORDEM CONSTITUCIONAL
BRASILEIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.1.1. O Nemo Tenetur se Detegere no Ordenamento Jurídico Brasileiro . . . . . . . . 110

5.1.2. O nemo tenetur se detegere nos diplomas internacionais e sua incorporação
ao direito brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
5.1.3. O nemo tenetur se detegere através de outros princípios: devido processo
legal, ampla defesa, presunção de inocência e dignidade da pessoa humana . . . . . . . 114
5.2. O PRINCÍPIO NEMO TENETUR SE DETEGERE E A BUSCA
PELA VERDADE NO PROCESSO PENAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
5.3. O NEMO TENETUR SE DETEGERE NO INTERROGATÓRIO
DO ACUSADO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
5.3.1. Natureza jurídica do interrogatório do acusado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
5.3.2. Decorrências do nemo tenetur se detegere no interrogatório . . . . . . . . . . . . . 124
5.3.2.1. Liberdade moral do acusado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
5.3.2.2. Sobre o exercício do direito ao silêncio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
5.3.2.3. Titularidade do direito ao silêncio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
5.3.2.4. Fase de qualificação e fase de mérito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
5.3.2.5. Dever de advertência quanto ao direito ao silêncio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
5.3.2.6. Proibição de extrair consequências prejudiciais em razão do exercício do
direito ao silêncio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
5.3.2.7. Sobre a vedação de determinados métodos de interrogatório . . . . . . . . . . . 128
5.3.2.8. Inexistência do dever de dizer a verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
5.3.2.9. Inexistência do dever de comparecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
5.4. O DIREITO À NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO NAS PROVAS QUE
DEPENDEM DA COLABORAÇÃO DO ACUSADO . . . . . . . . . . . . . 131
5.4.1. Interesse público na persecução penal X direitos fundamentais do
acusado132
5.4.2. Sobre as provas que dependem da colaboração do acusado: intervenções
corporais invasivas e não invasivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
5.4.3. Aplicação do nemo tenetur se detegere nas provas que dependem da
colaboração do acusado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.4.4. Limitação ao nemo tenetur se detegere: princípio da proporcionalidade . . . . 139
5.4.4.1. Princípio da proporcionalidade: origem, evolução histórica e conceito . . . . 139
5.4.4.2. O Princípio da proporcionalidade no direito brasileiro: fundamento e
acolhimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
5.4.4.3. Aplicação do princípio da proporcionalidade em face da incidência do
nemo tenetur se detegere nas provas do processo penal que dependem da colaboração
do acusado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

5.5. A INCIDÊNCIA DO NEMO TENETUR SE DETEGERE
NA CONSTATAÇÃO DE EMBRIAGUEZ ATRAVÉS DO
ETILÔMETRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.5.1. Sobre o Etilômetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.5.2. O crime de embriaguez ao volante no Código de Trânsito Brasileiro . . . . . 145
5.5.2.1. A redação original do artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro . . . . . . . 145
5.5.2.2. O crime de embriaguez ao volante a partir da edição da Lei
11.705/2008 (Lei Seca) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
5.5.2.3. A redação do artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro com a nova lei
(12.760/12) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
5.5.3. Contexto atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

CAPÍTULO 6
APLICABILIDADE DO DIREITO À NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO
NAS INTERVENÇÕES CORPORAIS DO PROCESSO PENAL
ESPANHOL: UMA ANÁLISE SOBRE A LEGALIDADE DO TESTE
DE ALCOOMETRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
6.1. DIREITO À NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO: FUNDAMENTO
HISTÓRICO-SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
6.2. DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
6.3. DIREITO À NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO NAS
INTERVENÇÕES CORPORAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
6.3.1. Requisitos legais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
6.3.2. Compatibilidade entre o direito à não autoincriminação e a intervenção
corporal do exame etilômetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
6.3.2.1. Jurisprudência da Corte Espanhola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
6.3.2.1.1. Procedimento diante da recusa do sujeito a realizar o teste de
alcoometria: o delito de desobediência previsto no artigo 380 do novo Código
Penal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
6.3.2.2. Análise da doutrina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
6.3.2.2.1. Sobre a jurisprudência do Tribunal Constitucional . . . . . . . . . . . . . . 181
6.3.2.2.2. Teste de alcoometria e direito à não autoincriminação: conflito de
garantias fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

CONSIDERAÇÕES FINAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191

REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

Sugestão de leitura dos autores

Você também pode gostar de:

Voltar