Título: Direito Processual Civil Brasileiro - Volume 3

Autor: Vicente Greco Filho

Código de Barras: 9788594773319

Páginas: 400

Valor: R$ 160,00

ISBN: 9788594773319

R$ 160,00

+ Carrinho

Calcular frete

Faça login ou cadastre-se para calcular o frete.

Procedimentos Especiais do Código. Processo de Execução. Recursos. Procedimentos Especiais de Leis Extravagantes

Novo Código, novo livro. Nem tanto um, nem tanto outro.

Após as reformas desencadeadas a partir de 1992 e as alterações constitucionais, o Código de 1973 foi substituído, incorporando as modificações, como o cumprimento de sentença adotado como regra, o agravo de instrumento interposto diretamente aos Tribunais e a tutela antecipada, agora com outra amplitude e configuração.

Foi, contudo, mantida em vigor a disciplina da execução por quantia certa contra devedor insolvente e diversas outras figuras foram redesenhadas apenas aparentemente, porque o sistema substancialmente não mudou. Assim, no campo principiológico, houve explicitação de normas regentes com mais clareza, mas elas já existiam; não há menção expressa ao processo cautelar, mas está ele no Código em toda sua plenitude na tutela de urgência e outras manifestações da cautelaridade; o agravo, agora taxativo, só parentemente adotou o cunho taxativo do Código de 1939, porque prevê algumas hipóteses genéricas cuja extensão o aproxi-
ma do regime revogado. É certo que houve redução de procedimentos, todavia o sumário convolou-se na disciplina da Lei nº 9.099/1.995, com a inadequada manutenção do rol do art. 275, II do Código de 1973 que continuará valendo não se sabe por ainda quanto tempo. Criou-se o usucapião extrajudicial, mas com uma complexidade tal que se duvida que tenha aplicação prática, desaguando-se, então, no procedimento comum, mas com as características de um procedimento edital.

A nova obra, por sua vez, é nova porque segue a estrutura e sequência do Código em vigor, mas mantém os objetivos originais que remontam a 1981: é dirigida a estudiosos porque procura ser o mais didática possível, mas com fundamentação histórica e principiológica, quando necessário, e atende o profissional porque busca resolver questões duvidosas e os problemas do cotidiano do processo, indicando um entendimento que, ainda que não acolhido pelos tribunais futuramente, guarda sustentável coerência. Quanto a estes, os problemas, sempre existirão, inclusive de maneira imprevisível, o que não será esquecido em edições posteriores se a bondade do leitor mantiver a acolhida que tiveram os volumes anteriores.

Título: Direito Processual Civil Brasileiro - Volume 3

Autor: Vicente Greco Filho

Código de Barras: 9788594773319

Páginas: 400

Valor: R$ 160,00

ISBN: 9788594773319

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1 - TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS . . . 13
1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Origens — Dificuldades.
2. TÉCNICAS LEGISLATIVAS DE CONSTRUÇÃO DOS
PROCEDIMENTOS ESPECIAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Influência do direito material — Modificações em comparação com o procedimento ordinário.
3. PRINCÍPIOS E ESPÉCIES DE PROCEDIMENTOS ESPECIAIS . . . . . . . . 16
Aplicação subsidiária das regras do procedimento comum — Procedimentos especiais do Código e procedimentos especiais de jurisdição voluntária: sistemática legal

CAPÍTULO 2 - PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DO CÓDIGO . . . . . . . . . . . 17
4. DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5. DA AÇÃO DE EXIGIR CONTAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
6. DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.1. DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.2. DA MANUTENÇÃO E DA REINTEGRAÇÃO DE POSSE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
6.3. DO INTERDITO PROIBITÓRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
7. DA AÇÃO DE DIVISÃO E DEMARCAÇÃO DE TERRAS PARTICULARES . . 30
7.1 DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
7.2. DA DEMARCAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
7.3 DA DIVISÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
8. DA AÇÃO DE DISSOLUÇÃO PARCIAL DE SOCIEDADE . . . . . . . . . . . . . 34
9. DO INVENTÁRIO E DA PARTILHA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9.1. DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9.2. DA LEGITIMIDADE PARA REQUERER O INVENTÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
9.3. DO INVENTARIANTE E DAS PRIMEIRAS DECLARAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . 39
9.4. DAS CITAÇÕES E DAS IMPUGNAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9.5. DA AVALIAÇÃO E DO CÁLCULO DO IMPOSTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
9.6. DAS COLAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
9.7. DO PAGAMENTO DAS DÍVIDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.8. DA PARTILHA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
9.9. DO ARROLAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
9.10.DISPOSIÇÕES COMUNS A TODAS AS SEÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
10. DOS EMBARGOS DE TERCEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
11. DA OPOSIÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
12. DA HABILITAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
13. DAS AÇÕES DE FAMÍLIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
14. DA AÇÃO MONITÓRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

15. DA HOMOLOGAÇÃO DO PENHOR LEGAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
16. REGULAÇÃO DE AVARIA GROSSA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
17. RESTAURAÇÃO DE AUTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

CAPÍTULO 3 - DOS PROCEDIMENTOS DE JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA . . 65
18. CONCEITO E CARACTERÍSTICAS DA JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA . . 65
19. DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
20. DA NOTIFICAÇÃO E DA INTERPELAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
21. DA ALIENAÇÃO JUDICIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
22. DO DIVÓRCIO E DA SEPARAÇÃO CONSENSUAIS, DA EXTINÇÃO
CONSENSUAL DA UNIÃO ESTÁVEL E DA ALTERAÇÃO DO
REGIME DE BEM DO MATRIMÔNIO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
23. DOS TESTAMENTOS E DOS CODICILOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
23.1.DA ABERTURA, REGISTRO E CUMPRIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
23.2.DA CONFIRMAÇÃO DOS TESTAMENTOS PARTICULAR E ESPECIAIS . . . . . 75
23.3.DA EXECUÇÃO DOS TESTAMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
24. DA HERANÇA JACENTE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
25. DOS BENS DE AUSENTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
26. DAS COISAS VAGAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
27. DA INTERDIÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
28. DISPOSIÇÕES COMUNS À TUTELA E CURATELA . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
29. DA ORGANIZAÇÃO E DA FISCALIZAÇÃO DAS FUNDAÇÕES . . . . . . . . 85
30. DA RATIFICAÇÃO DOS PROTESTOS MARÍTIMOS E DOS
PROCESSOS TESTEMUNHÁVEIS FORMADOS A BORDO . . . . . . . . . . . 85

CAPÍTULO 4 - DO PROCESSO DE EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
31. DA EXECUÇÃO EM GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
31.1.INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Cognição e execução – Conceito de execução – Aspectos gerais do Código e das execuções especiais – Colocações terminológicas
31.2.ESBOÇO HISTÓRICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Direito Romano, intermédio e comum – Direito das Ordenações e antecedentes legislativos brasileiros – Unidade da execução e evolução dos princípios do processo executivo – Execução Imprópria
31.3.DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Aplicação subsidiária das normas do processo de conhecimento – Poderes do juiz – Atos atentatórios à dignidade da justiça – Utilização da força
31.4.DAS PARTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Legitimação ativa: quem pode promover a execução – Legitimação: contra quem deve ser proposta a execução – Assistência e litisconsórcio na execução – Cumulação de execuções
31.5.DA COMPETÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Natureza e regras sobre a competência – Competência na execução fiscal

31.6.DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUÇÃO . . 99
31.6.1. Do Título Executivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Características Gerais – Títulos previstos no Código e leis especiais
31.6.2. Exigibilidade da Obrigação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Conceito e momento do inadimplemento – Obrigação condicionada
31.7.DA RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Responsabilidade ordinária ou primária – Responsabilidade sobre bens de terceiros – Defesa do terceiro – Fraude de execução: conceito e distinções – benefício de ordem do fiador
31.8.DA EXECUÇÃO DEFINITIVA E PROVISÓRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Conceito e extensão das figuras
32. DAS DIVERSAS ESPÉCIES DE EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
32.1.INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Classificação das diversas espécies de execução e respectivas medidas executivas
32.2.DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Petição inicial – Ônus do credor – Efeitos da propositura – Obrigações Alternativas - Emenda da inicial –– Nulidade da execução por vício do título, por falta de citação e por pendência de condição ou termo - Credor com direito real de garantia
33. DA EXECUÇÃO PARA ENTREGA DE COISA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Execução para entrega de coisa fungível e infungível – Título adequado à execução – Procedimento de escolha da coisa – Imissão na posse ou busca e apreensão – Substituição da coisa pelo valor – Retenção por benfeitorias
34. DA EXECUÇÃO DAS OBRIGAÇÕES DE FAZER E DE NÃO FAZER . . . 123
34.1.DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
34.2.DA OBRIGAÇÃO DE FAZER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
34.3.DA EXECUÇÃO DA OBRIGAÇÃO DE NÃO FAZER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
35. DA EXECUÇÃO POR QUANTIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
35.1.DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
35.2.DA CITAÇÃO DO DEVEDOR E DO ARRESTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
35.3.DA PENHORA, DO DEPÓSITO E DA AVALIAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
35.3.1. Do objeto da Penhora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
35.3.2. Da documentação da penhora, de seu registro e do depósito. . . . . . . . . . . . . . . . 131
35.3.3. Do lugar de realização da penhora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
35.3.4. Das modificações da penhora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
35.3.5. Da penhora de dinheiro em depósito ou em aplicação financeira. . . . . . . . . . . . 135
35.3.6. Da penhora de créditos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
35.3.7. Da penhora das quotas ou das ações de sociedades personificadas. . . . . . . . . . . . 138
35.3.8. Da penhora de empresa, de outros estabelecimentos e de semoventes. . . . . . . . . 138
35.3.9. Da penhora de percentual de faturamento de empresa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
35.3.10. Da penhora de frutos e rendimentos de coisa móvel ou imóvel. . . . . . . . . . . . . . 139
35.3.11. Da avaliação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
35.4.DA EXPROPRIAÇÃO DE BENS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
35.4.1. Da adjudicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
35.4.2. Da alienação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
35.5.DA SATISFAÇÃO DO CRÉDITO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
36. DA EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Situação especial dos bens públicos — Regulamentação constitucional — Título executivo na execução contra a Fazenda — Sequestro do credor preterido

37. DA EXECUÇÃO DE ALIMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Alternativas executivas colocadas à disposição do credor na execução de prestação alimentícia — Desconto em folha — Cominação de prisão — Descabimento de embargos do devedor em face dos meios executivos especiais
38. DA EXECUÇÃO DA DÍVIDA ATIVA DA FAZENDA PÚBLICA . . . . . . . . 164
Legislação Especial – Conceito de Fazenda Pública – Competência – Título executivo – Peculiaridades da execução especial
39. DA EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA CONTRA DEVEDOR
INSOLVENTE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
39.1.ASPECTOS GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
Colocação do instituto — Analogias com a falência
39.2.DA CARACTERIZAÇÃO DA INSOLVÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
Conceito — Insolvência e insolvabilidade — Fatos denunciadores da insolvência — Impontualidade — Presunções relativas
39.3.DAS PARTES DA INSOLVÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
Legitimidade ativa — Sujeito passivo — Caso específico de litisconsórcio passivo — Intervenção do Ministério Público
39.4.EFEITOS DA DECLARAÇÃO DA INSOLVÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Natureza da sentença — Efeitos materiais — Efeitos processuais
39.5.PROCEDIMENTO DA INSOLVÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
39.5.1. Fases do procedimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Fase postulatória e instrutória até a decretação — Fase da arrecadação e habilitação de créditos — Fase da verificação e classificação dos créditos — Fase da liquidação da massa e pagamento de credores
39.5.2. Fase postulatória e instrutória até a decretação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Conteúdo — Procedimento — Ônus da prova — Sentença — Efeitos da apelação — Insolvência requerida pelo devedor ou seu espólio
39.5.3. Fase da arrecadação e da habilitação dos créditos. Do administrador. . . . . . . . . . 176
Administração da massa — Convocação dos credores — Arrecadação — Funções do administrador
39.5.4. Fase da verificação e classificação dos créditos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
Habilitações e impugnações — Sentença, apelação — Classificação de créditos: ordem de privilégios — Créditos excluídos do quadro geral — Aprovação do quadro geral, apelação
39.5.5. Fase da liquidação da massa e pagamento dos credores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Praça ou leilão — Rateio — Sentença de encerramento
39.6.DO SALDO DEVEDOR E DA EXTINÇÃO DAS OBRIGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . 181
Aquisição posterior de bens penhoráveis — Prescrição do saldo devedor — Procedimento da extinção das obrigações — Extinção das obrigações por acordo
40. DOS EMBARGOS À EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
Introdução – Origem histórica dos embargos – Conceito, pressupostos – Procedimento dos embargos – Do favor debitoris - Matéria dos embargos - Efeitos dos embargos
41. DA SUSPENSÃO E DA EXTINÇÃO DO PROCESSO DE EXECUÇÃO . . 190
41.1.DA SUSPENSÃO DO PROCESSO DE EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
Casos específicos – Outras hipóteses – Efeitos da suspensão
41.2.DA EXTINÇÃO DO PROCESSO DE EXECUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
Extinção civil da obrigação – Sentença, apelação

CAPÍTULO 5 - DA ORDEM DOS PROCESSOS E DOS PROCESSOS
DE COMPETÊNCIA ORIGINÁRIA DOS TRIBUNAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
42. DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
43. DA ORDEM DOS PROCESSOS NO TRIBUNAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
44. DO INCIDENTE DE ASSUNÇÃO DE COMPETÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . 199
45. DO INCIDENTE DE ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE . . 200
45.1.INTRODUÇÃO E ANTECEDENTES HISTÓRICOS DOS MODERNOS SISTEMAS DE CONTROLE JURISDICIONAL DE
CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
45.2.SISTEMAS MODERNOS DE CONTROLE JURISDICIONAL DE
CONSTITUCIONALIDADE DAS LEIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
45.3.NATUREZA E EFEITOS DA DECLARAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
45.4.ASPECTOS PROCESSUAIS DA DECLARAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
46. DO CONFLITO DE COMPETÊNCIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
47. DA HOMOLOGAÇÃO DE DECISÃO ESTRANGEIRA E DA
CONCESSÃO DO EXEQUATUR À CARTA ROGATÓRIA . . . . . . . . . . . . . 206
47.1.EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO INSTITUTO E FUNDAMENTO FILOSÓFICO 206
47.2.OS DIVERSOS SISTEMAS LEGISLATIVOS SOBRE A HOMOLOGAÇÃO . . . . 211
47.3.DIREITO BRASILEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
47.4.NATUREZA JURÍDICA DA SENTENÇA ESTRANGEIRA E DO PROCESSO
DE HOMOLOGAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
47.5.CONDIÇÕES, PRESSUPOSTOS E ELEMENTOS DA HOMOLOGAÇÃO . . . . . 218
47.6.O PROCEDIMENTO DA AÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO E CONCESSÃO
DO EXEQUATUR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
48. DA AÇÃO RESCISÓRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
48.1.CONCEITO E NATUREZA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
48.2.PRESSUPOSTOS DA AÇÃO RESCISÓRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
48.3.FUNDAMENTOS PARA A RESCISÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
48.4.PROCEDIMENTO DA AÇÃO RESCISÓRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
49. DO INCIDENTE DE RESOLUÇÃO DE DEMANDAS REPETITIVAS . . . 234
50. DA RECLAMAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237

CAPÍTULO 6 - DOS RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
51. DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
51.1.CONCEITO E NATUREZA DOS RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
51.2.O SISTEMA RECURSAL DO CÓDIGO. ESBOÇO HISTÓRICO. . . . . . . . . . . . . 241
51.3.ESPÉCIES DE RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
51.4.DA ADMISSIBILIDADE DOS RECURSOS E SEUS PRESSUPOSTOS GERAIS . 246
51.5.EFEITOS DOS RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
51.6.EXTINÇÃO ANÔMALA DAS VIAS RECURSAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
51.7.RECURSO ADESIVO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
51.8.OUTRAS NORMAS GERAIS SOBRE OS RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260

CAPÍTULO 7 - DA APELAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
52. ASPECTOS GERAIS. CABIMENTO. EXTENSÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
53. EFEITOS DA APELAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
54. PROCEDIMENTO DA APELAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267

CAPÍTULO 8 - DO AGRAVO DE INSTRUMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
55. CABIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
56. REQUISITOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
57. PROCEDIMENTO E EFEITOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272

CAPÍTULO 9 - DO AGRAVO DE INTERNO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
58. CABIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
59. PROCEDIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

CAPÍTULO 10 - DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . 277
60. CABIMENTO E PROCEDIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
60.1.CABIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
60.2.PROCEDIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278

CAPÍTULO 11 - DOS RECURSOS PARA O SUPREMO TRIBUNAL
FEDERAL E PARA O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA . . . . . . . . . . . . . 281
61. DO RECURSO ORDINÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
62. DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO E DO RECURSO ESPECIAL . . . . . 283
62.1.DISPOSIÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283
62.2.DO JULGAMENTO DOS RECURSOS EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL
REPETITIVOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
62.3.DO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL E EM RECURSO
EXTRAORDINÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
62.4. Dos Embargos de Divergência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296
63. SUCEDÂNEOS DOS RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297

CAPÍTULO 12 - DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE LEIS
EXTRAVAGANTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
64. AÇÕES DA LEI DO INQUILINATO (DESPEJO, REVISIONAL,
RENOVATÓRIA, CONSIGNATÓRIA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299
65. AÇÕES RELATIVAS AOS REGISTROS PÚBLICOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
66. AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO DECORRENTE DE ALIENAÇÃO
FIDUCIÁRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313
67. MANDADO DE SEGURANÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316
68. AÇÃO POPULAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350
69. AÇÃO DE DESAPROPRIAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 352
70. DAS AÇÕES DA LEI DO DIVÓRCIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354

71. DA AÇÃO DE ALIMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358
72. DA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE E DA AÇÃO
DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
73. DA AÇÃO DE ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE
PRECEITO FUNDAMENTAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363
74. DO “HABEAS DATA”........................................... 365
75. DO MANDADO DE INJUNÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 368
76. DAS AÇÕES COLETIVAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372
77. DA ARBITRAGEM E DO PROCEDIMENTO ARBITRAL . . . . . . . . . . . . . 373
78. DOS JUIZADOS ESPECIAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377
79. DO USUCAPIÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 380

BIBLIOGRAFIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383

Sugestão de leitura dos autores

Você também pode gostar de:

Voltar