Um convite à Teoria Econômica do Crime (Parte 1) – Por Fillipe...

Um convite à Teoria Econômica do Crime (Parte 1) – Por Fillipe Azevedo Rodrigues

Por Fillipe Azevedo Rodrigues – 16/09/2016

As teorias do comportamento criminoso, de certo modo, têm como base a escolha racional conforme as propostas idealizadas por Cesare Beccaria e Jeremy Bentham ainda no Século XVIII.[1] Já em 1788, na obra Principles of Penal Law, Bentham afirmava que o benefício obtido com o crime é a força que estimula o homem à delinquência: a dor da punição é a força empregada para demovê-lo do crime. Se a primeira dessas forças for superior, o crime será cometido; se a segunda for superior, o crime não será cometido.

A principal ideia de Bentham foi aperfeiçoada no trabalho Crime and Punishment: An Economic Approach, de Gary Becker, considerada ainda hoje a obra mais relevante para o estudo da Análise Econômica do Direito (AED) aplicada à teoria dos delitos e das penas. Trata o fenômeno da criminalidade como resultado da maximização racional dos agentes envolvidos: Estado, delinquente e vítima.

Para Becker,[2] o delito ocorre na medida em que o delinquente, como homo economicus, reage racionalmente a incentivos, assim como os não criminosos o fazem. Esses incentivos são delimitados através de uma análise de custos e benefícios entre praticar ou não a conduta criminosa.

A estratificação social propicia referenciais diversos acerca de eventuais custos e benefícios em delinquir, pois é evidente que os indivíduos integrantes das camadas sociais mais favorecidas não sofrerão os mesmos incentivos – em nível e natureza – a que os integrantes da parcela marginalizada da população são sujeitos.

Conforme se tentou demonstrar no tópico inaugural deste capítulo, as questões socioeconômicas brasileiras indicam uma relação com o fenômeno da delinquência. Afinal, também no crime está em jogo um custo de oportunidade ou um trade off. Ao seguir a carreira do crime, o delinquente, homo economicus, abre mão (paga o preço) de se afastar de atividades lícitas. Os benefícios esperados com o ilícito penal devem, portanto, ser muito elevados para suprir os custos de oportunidade e compensar os riscos inerentes ao submundo do crime.

Deixe-se claro que decidir pela carreira do crime costuma significar correr riscos. Trata-se de uma tomada de decisão em situação de incerteza.[3] A condição social, portanto, tem papel considerável na dimensão de utilidade decorrente da prática do delito – isso porque, quanto mais se tem, mais receio se tem de perder e menos necessidade se tem de arriscar. Assim, é possível afirmar que a utilidade da atividade criminosa ou utilidade de correr o risco (Uc) está em função da renda do potencial criminoso (Rc):

Uc = U(Rc)

Esclarecendo a questão, suponha-se que, em um crime de furto, a utilidade da atividade criminosa significa o valor pecuniário a ser subtraído da vítima, enquanto a condição social remete à renda do potencial criminoso.

No entanto, independente de qual camada social se origina o delinquente, ele age pautado pela probabilidade da condenação (p) e pelo efeito dissuasivo da pena (f), variáveis de risco ponderadas em função do benefício (pecuniário ou não) a ser auferido com o delito.

As políticas destinadas à segurança pública e às normas jurídicas que as fundam giram em torno dessas duas variáveis sistematizadas por Becker, isto é, p e f.[4]

O investimento tanto em polícia ostensiva como judiciária e em instituições como o Ministério Público e o Poder Judiciário representam crescimento na variável p, pois essas instituições representam a prevenção, investigação e repressão do crime, aumentando a probabilidade da condenação.

Por outro lado, a alteração legislativa para o aumento da duração das penas e o investimento em construção de penitenciárias, dotadas de mais celas, onde seja possível manter por mais tempo no cárcere os apenados, representa acréscimo na variável f, maior efeito dissuasivo da pena.

A primeira conclusão a se extrair das variáveis apresentadas é que p e f são fatores cujo produto demonstrará o grau de eficiência geral da política criminal em coibir a atividade criminosa, afinal, caso as penas sejam tão brandas que não dissuadam o comportamento criminoso, em nada adiantará eficientes processos de persecução criminal e julgamento. Por lógica, a recíproca também procede.

A propósito, quanto à função da pena… (confira na Parte 2).


Notas e Referências:

[1] EIDE, Erling. Economics of crime behavior. In: BOUCKAERT, Boudewijn; GEEST, Gerrit de. Encyclopedia of law & economics, n.º 8100, p. 345-389, 1999, p. 346. Disponível em: <http://encyclo.findlaw.com/8100book.pdf>. Acesso em: 30 de abril de 2013.

[2] BECKER, Gary Stanley. Crime and punishment: an economic approach. In: Journal of political economy: Essays in the economics of crime and punishment, National Bureau of Economic Research, p. 169-217, 2001, p. 169-172. Disponível em: < http://www.jstor.org/discover/10.2307/1830482?uid=3737664&uid=2&uid=4&sid=21101968867553>. Acesso em: 30 de abril de 2013.

[3] Ver: COOTER, Robert; ULEN, Thomas. Direito e economia. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010, p. 65-71.

[4] BECKER, Gary Stanley. Crime and punishment: an economic approach. In: Journal of political economy: Essays in the economics of crime and punishment, National Bureau of Economic Research, p. 169-217, 2001, p. 177. Disponível em: < http://www.jstor.org/discover/10.2307/1830482?uid=3737664&uid=2&uid=4&sid=21101968867553>. Acesso em: 30 de abril de 2013.


Fillipe Azevedo RodriguesFillipe Azevedo Rodrigues é Advogado na QBB Advocacia, Conselheiro do Conselho Penitenciário do Estado do Rio Grande do Norte e Professor da Universidade Potiguar, Natal – RN. Mestre em Direito constitucional pela UFRN e Doutorando em Ciências Jurídico-Criminais pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC), Portugal. Autor do Livro “Análise Econômica da Expansão do Direito Penal” pela Editora Del Rey, Belo Horizonte.


Imagem Ilustrativa do Post: Gun-euro-001// Foto de: Xavier Buaillon // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/xavier-buaillon/8030039384/

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.