Tags Posts tagged with "Código de Processo Penal"

Código de Processo Penal

Por Evinis Talon – 21/06/2017

Causa estranheza em quem não é da área penal o fato de um indivíduo ser preso em flagrante ou confessar um crime e, ato contínuo, ser processado em liberdade. Neste texto, explicarei algumas das razões pelas quais alguém é processado preso ou em liberdade.

Aparentemente, o título do artigo deveria ser “O que alguém faz para ser preso preventivamente?”, referindo-se aos crimes que justificariam o encarceramento cautelar. Entretanto, como é sabido, não é admissível a prisão preventiva pela mera gravidade abstrata do delito praticado.

Atualmente, ninguém permanece preso em decorrência exclusivamente do flagrante. Exige-se a aferição dos requisitos da prisão cautelar, que se divide em prisão preventiva (arts. 311 e seguintes do Código de Processo Penal) e prisão temporária (Lei nº 7.960/1989). Nas próximas linhas, analisarei exclusivamente a prisão preventiva.

Primeiramente, deve-se aferir se está presente algum dos fundamentos do “caput” do art. 312 do Código de Processo Penal, quais sejam, “garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal”. Evidentemente, alguns desses fundamentos sofrem críticas no que concerne à compatibilidade com a Constituição Federal, especialmente a garantia da ordem pública, que tem sido utilizada por alguns Juízes como instrumento de promoção da segurança pública por meio do Poder Judiciário, que, como se sabe, não é órgão da segurança pública.

Também é cabível a prisão preventiva em caso de descumprimento das obrigações impostas por força de outras medidas cautelares, nos termos do art. 312, parágrafo único, do Código de Processo Penal.

Ademais, entende-se que os fundamentos legais da prisão preventiva são taxativos, não se admitindo prisão cautelar atípica.

Além da presença de algum dos fundamentos do art. 312 do CPP, deve-se analisar se o fato envolve alguma das situações narradas no art. 313 do CPP. Nesse diapasão, se um indivíduo primário e identificado é preso em flagrante por furto simples (que tem pena máxima de 4 anos) contra um estranho, não há preenchimento das hipóteses do art. 313 do CPP, sendo incabível a prisão preventiva.

Qualquer decisão sobre prisão preventiva deve ser motivada, isto é, exige-se a fundamentação das decisões que decretam, substituem ou denegam a prisão preventiva (art. 315 do CPP).

Insta salientar que a prisão preventiva apenas é admissível quando se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão, conforme o art. 310, II, do CPP.

Destarte, se for cabível a aplicação das medidas cautelares do art. 319 do CPP, como a obrigação de comparecer periodicamente em juízo, a proibição de manter contato com pessoa determinada, o recolhimento domiciliar noturno e a monitoração eletrônica, a decretação da prisão preventiva é inconcebível e, caso ocorra, será considerada ilegal.

Portanto, a prisão preventiva exige inúmeros requisitos. Não é a mera prática do crime que ensejará o encarceramento cautelar. A prisão pela prática de um fato criminoso ocorre apenas no cumprimento da pena, se não for possível a aplicação de pena restritiva de direitos ou a suspensão condicional da pena.

Acredito que esse é o ponto mais difícil para a compreensão por quem não é da área jurídica ou, ainda que seja, não se dedica ao estudo das Ciências Criminais. O leigo tem dificuldades para perceber a separação entre a prisão cautelar e a prisão como pena, da mesma forma que não consegue separar a nulidade da prova do seu conteúdo.

O Supremo Tribunal Federal (STF) considera impossível, por exemplo, a decretação da prisão preventiva com base apenas em presunção de fuga (STF, HC 127.754). Para o STF, impõe-se, como fundamento para a prisão preventiva, a presença de elementos concretos que indiquem a possibilidade de fuga do acusado.

Da mesma forma, o encontro, em poder do investigado, de documento falso, sem potencial algum para prejudicar as investigações em curso, não autoriza a decretação de sua prisão preventiva (STF, Inq 3.842 AgR-segundo-AgR). Não se trata, portanto, de conveniência para a instrução processual, haja vista que, nesse caso apreciado pelo STF, o documento falso não tinha relação com a investigação.

Em outra oportunidade, o STF asseverou ser descabida a determinação da prisão do acusado visando à presença em audiência (STF, HC 114.226), assim como também já considerou inadmissível a prisão preventiva como mera decorrência do fato de o acusado ter mentido para a autoridade policial (STF, HC 102.179).

Por outro lado, o STF já admitiu a prisão preventiva de réu que se ocultava para não ser citado em processo criminal (STF, HC 115.907).

Infelizmente, a análise jurisprudencial dos fundamentos do art. 312 do Código de Processo Penal é casuística, considerando que os Tribunais, diante de casos concretos semelhantes, fazem interpretações distintas em relação à subsunção do caso concreto aos fundamentos do supracitado dispositivo legal, ora admitindo a decretação da prisão preventiva, ora considerando ilegal o encarceramento cautelar.


Evinis TalonEvinis Talon é Advogado criminalista, consultor e parecerista em Direito Penal e Processo Penal, Professor de inúmeros cursos de pós-graduação, como Unisc/RS, UniRitter/RS e Uniflu (RJ), Mestre em Direito pela UNISC/RS, especialista em Processo Penal pela Universidade de Coimbra (Portugal), especialista em Filosofia, Sociologia, Direito Constitucional e Direito Penal e Processual Penal pela Universidade Gama Filho/RJ, ex-Defensor Público do Estado do Rio Grande do Sul, Membro da International Society of Public Law (ICONS), da Association Internationale de Droit Pénal (AIDP), do Grupo Brasileiro da Associação Internacional de Direito Penal, da International Bar Association (IBA), integrando o Criminal Law Committee e o Public Law Committee, da International Law Association (ILA), da Comissão de Estudos Constitucionais e da Comissão Especial de Segurança Pública e Política Criminal da OAB/RS, Secretário-Adjunto da ACRIERGS (Associação dos Advogados Criminalistas do Estado do Rio Grande do Sul). Autor de inúmeros livros e artigos.


Imagem Ilustrativa do Post: From inside a cell, B Block, Alcatraz // Foto de: Danny Bradury // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/24151087@N00/3195353359

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


 

Por Marcelo Lebre – 01/06/2017

1. Enredo da questão

O modelo de execução penal encampado pelo legislador brasileiro segue a lógica do sistema progressivo, de inspiração inglesa (“Mark System”)[1], na qual o sentenciado tem o direito de galgar melhorias ao longo da execução, desde que conjugue os requisitos delineados pela Lei de Execução Penal, ex vi art. 112 da Lei nº 7.210/1984: o objetivo (lapso temporal) e o subjetivo (bom comportamento carcerário).

Tal sistema visa resguardar uma das pedras angulares do nosso sistema constitucional – o princípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, inciso III da CF/1988) – e também uma das premissas que orienta nossa legislação penal: a ideia de ressocialização do sentenciado (ex vi art. 59 do CP e art. 1º da LEP).

Nada obstante, nos crimes contra a Administração Pública (arts. 312 a 359 do Código Penal), é ainda exigível um terceiro requisito para se alcançar a progressão: a reparação do dano causado pelo crime.

Essa exigência foi trazida pela Lei nº 10.763, de 2003, e está expressamente prevista no art. 33, §4º do Código Penal – Verbis: “O condenado por crime contra a administração pública terá a progressão de regime do cumprimento da pena condicionada à reparação do dano que causou, ou à devolução do produto do ilícito praticado, com os acréscimos legais”.

A primeira vista, não há grandes problemas em relação à aludida previsão legal (basta ver que a grande maioria dos manuais de Direito Penal pátrios – e mesmo os de Execução Penal – pouco discutem sobre o tema…).

Mas uma questão vem ganhando fôlego nos tribunais pátrios, visto que muitos sentenciados estão encontrando embaraços na concessão do benefício legal em razão desta cláusula contida no Código Penal: afinal, é possível (ou não) exigir a reparação do dano para progressão provisória de regime prisional enquanto não há trânsito em julgado da decisão condenatória?

2. Problemática central

Inicialmente, é relevante lembrar-se do teor da Súmula 716 do Supremo Tribunal Federal, por meio da qual “admite-se a progressão de regime de cumprimento da pena ou a aplicação imediata de regime menos severo nela determinada, antes do trânsito em julgado da sentença condenatória”.

Ou seja, não restam dúvidas acerca da possibilidade de se pleitear a progressão de regime prisional antes mesmo da condenação criminal transitar em julgado. Especialmente agora, com o recente entendimento firmado pelo Colendo Supremo Tribunal Federal, no sentido de permitir a execução provisória da pena.[2]

Basta, portanto, que os requisitos delineados pela Lei de Execuções sejam preenchidos: bom comportamento carcerário e lapso temporal.

Ocorre que os sentenciados por crimes contra a administração pública encontram uma barreira a mais: a reparação do dano, a qual (vênia) julgamos só ser exigível após o trânsito em julgado da decisão condenatória.

Neste tocante, vale lembrar que a sentença penal condenatória, para além de acarretar um “efeito principal” (que é a própria pena), possibilita também uma sorte de “efeitos secundários”, os quais podem ser de natureza penal (v.g, a possibilidade de se caracterizar a reincidência/maus antecedentes no caso de cometimento de novo delito) ou extrapenal (como, por exemplo, a obrigação de reparar o dano).

E é exatamente aqui (em relação aos efeitos secundários de natureza extrapenal) que esbarra a questão aqui debatida: afinal, a obrigação de reparar o dano só será exigível, em qualquer termo, após o trânsito em julgado da condenação.

Lembre-se que após o advento da Lei nº 11.719/2008 (que reformou de maneira significativa o Código de Processo Penal), a sentença penal condenatória passou a ostentar uma natureza híbrida: penal e cível. Afinal, para além de aplicar a pena (privativa de liberdade ou outra), deverá o magistrado também fixar o valor mínimo de reparação dos danos causados pelo delito, nos termos do art. 387, inciso IV do CPP.

E aqui, é certo que as decisões de natureza cível (como a obrigação de reparar o dano) somente podem ser executadas após o trânsito em julgado do feito, por força do contido expressamente no art. 515, inciso IV do novo Código de Processo Civil, o qual é aqui aplicado por analogia em face da lacuna do Código de Processo Penal.[3]

Com efeito, são reiteradas as decisões das nossas Cortes Superiores no sentido de que a reparação do dano proveniente da infração só começa a transcorrer após o trânsito em julgado da sentença penal (inclusive no que tange seu prazo prescricional).[4]

Nem mesmo o entendimento (já citado supra) do Supremo Tribunal Federal em relação à execução provisória da pena permitiria uma interpretação diversa. Isso porque o mesmo restringe-se à pena privativa de liberdade (efeito principal da condenação criminal) e não aos efeitos secundários, especialmente os de natureza cível (como é o caso da reparação de danos).

Pensar de forma diversa geraria uma série de discrepâncias e incongruências jurídicas (como, por exemplo: permitir a caracterização de reincidência antes do trânsito em julgado, violando o disposto nos arts. 63 e 64 do CP; ou o lançamento do nome do réu no rol dos culpados antes do trânsito em julgado, violando a cláusula constitucional que prega a presunção de inocência, do art. 5º, inciso LVII da CF/1988; etc.).

Insiste-se, pois, que a exigência da reparação dos danos antes do trânsito em julgado da condenação é medida temerária e não pode ser aceita para nenhuma finalidade jurídica.

3. Conclusões

Infelizmente, os fins utilitaristas hodiernamente almejados ao processo penal vêm deturpando sua (almejada) lógica acusatória e as premissas firmadas na Constituição e também na legislação penal.

A bandeira “cega” de combate à criminalidade, insuflada pelos veículos de comunicação, faz com que passemos por cima de garantias individuais e neguemos benefícios legalmente reconhecidos aos acusados e sentenciados, os quais, não podemos olvidar, figuram no lado mais frágil do jogo processual.

Aqui, nos parece oportuna a lição doutrinária delineada pelo hoje Ministro Barroso: “A repressão à criminalidade é uma necessidade de qualquer sociedade. Mas há limites muito nítidos. Qualquer transigência, aqui, é o sacrifício do Direito no altar das circunstâncias”.[5]


Notas e Referências:

[1] Item 35 da Exposição de Motivos (Nova Parte Geral do Código Penal): “A decisão será, no entanto, provisória, já que poderá ser revista no curso da execução. A fim de humanizar a pena privativa da liberdade, adota o Projeto o sistema progressivo de cumprimento da pena, de nova índole, mediante o qual poderá dar-se a substituição do regime a que estiver sujeito o condenado, segundo seu próprio mérito. A partir do regime fechado, fase mais severa do cumprimento da pena, possibilita o Projeto a outorga progressiva de parcelas da liberdade suprimida”.

*Sobre o tema: GARRIDO GUZMAN, Luis. Manual de ciência penitenciaria. Madrid: Edersa, 1983, p. 134. Segundo o autor, os escritos do Capitão Alexandre Maconochie, então governador da colônia britânica na Ilha Norfolk (Austrália), no ano de 1840, inspiraram o nascituro do sistema progressivo.

[2] STF – Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) 43 e 44.

[3] Art. 515 CPC.  São títulos executivos judiciais, cujo cumprimento dar-se-á de acordo com os artigos previstos neste Título: (…) VI – a sentença penal condenatória transitada em julgado.

[4] (STJ – REsp 351.867/SP, 2ª Turma, Rel. Min. Francisco Peçanha Martins, DJ de 13.2.2006); (STJ – REsp 881.668/MT, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, 1ª Turma, DJe 12/11/2008).

[5] BARROSO, Luís Roberto. A viagem redonda: habeas data, direitos constitucionais e as provas ilícitas. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

BARROSO, Luís Roberto. A viagem redonda: habeas data, direitos constitucionais e as provas ilícitas. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

BITENCOURT, Cesar Roberto. Falência da pena de prisão: causas e alternativas, São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993.

GARRIDO GUZMAN, Luis. Manual de ciência penitenciaria. Madrid: Edersa, 1983.

ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

ROSA, Alexandre Morais da; SILVEIRA FILHO, Sylvio Lourenço da. Para um processo penal democrático: crítica à metástase do sistema de controle social. Rio de Janeiro, Lumen Juris, 2008.

ZAFFARONI, Eugenio Raul; BATISTA, Nilo; SLOKAR, Alejandro W.; ALAGIA, Alejandro. Direito Penal Brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2010.


Marcelo Lebre.
Marcelo Lebre é Professor de Direito Penal da Escola da Magistratura Federal (ESMAFE), da Escola da Magistratura do Paraná (EMAP), da Escola da Magistratura do Trabalho (EMATRA) e da Escola do Ministério Público do Paraná (FEMPAR). Advogado, especialista em ciências criminais e mestre em direitos fundamentais e democracia.
.


Imagem Ilustrativa do Post: New Cells // Foto de: DieselDemon // Sem alterações

Disponível em: http://www.flickr.com/photos/28096801@N05/4332863749

Licença de uso disponível em: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


 

Por Redação – 20/04/2017

Confira a íntegra atualizada da Resolução Nº 105/2010 do Conselho Nacional de Justiça (Download), que dispões sobre a documentação dos depoimentos por meio do sistema audiovisual e realização de interrogatório e inquirição de testemunhas por videoconferência:

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições conferidas pela Constituição da República, especialmente o disposto no inciso I, §4º, art. 103-B;

CONSIDERANDO que, nos termos do art. 405, § 1º, do Código de Processo Penal, sempre que possível, com a finalidade de obter maior fidelidade das informações, dentre as formas possíveis de documentação dos depoimentos, deve-se dar preferência ao sistema audiovisual;

CONSIDERANDO que, embora o art. 405, § 2º, do Código de Processo Penal, quando documentados os depoimentos pelo sistema audiovisual, dispense a transcrição, há registro de casos em que se determina a devolução dos autos aos juízes para fins de degravação;

CONSIDERANDO que para cada minuto de gravação leva-se, no mínimo, 10 (dez) minutos para a sua degravação, o que inviabiliza a adoção dessa moderna técnica de documentação dos depoimentos como instrumento de agilização dos processos;

CONSIDERANDO que caracteriza ofensa à independência funcional do juiz de primeiro grau a determinação, por magistrado integrante de tribunal, da transcrição de depoimentos tomados pelo sistema audiovisual;

RESOLVE:

Art. 1º O Conselho Nacional de Justiça desenvolverá e disponibilizará a todos os tribunais sistemas eletrônicos de gravação dos depoimentos, dos interrogatórios e de inquirição de testemunhas por videoconferência. (Redação dada pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

§ 1º Os tribunais e o CNJ poderão desenvolver repositórios de mídias para armazenamento de documentos de som e imagem, inclusive os decorrentes da instrução do processo. (Incluído pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

§ 2º Os documentos digitais inseridos no Repositório Nacional de Mídias para o Sistema PJe serão considerados, para todos os efeitos, peças integrantes dos autos eletrônicos do processo judicial correspondente e observarão: (Incluído pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

I) o número único do processo judicial, nos termos da Resolução CNJ 65/2008; (Incluído pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

II) o localizador padrão permanente de acesso ao conteúdo da informação (URL), na rede mundial de computadores; (Incluído pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

III) os requisitos dispostos no art. 195 do Código de Processo Civil, de autenticidade, integridade, temporalidade, não repúdio, conservação e, nos casos dos que tramitem em segredo de justiça, confidencialidade, observada a infraestrutura de chaves públicas unificada nacionalmente, nos termos da lei. (Incluído pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

§ 3º As audiências, oitivas de testemunhas e outros atos de instrução a que se refere a Portaria nº 58, de 23/9/2014, da Corregedoria Nacional de acordo com os critérios previstos nesta Resolução. (Incluído pela Resolução nº 222, de 13.05.16)

Art. 2º Os depoimentos documentados por meio audiovisual não precisam de transcrição.

Parágrafo único. O magistrado, quando for de sua preferência pessoal, poderá determinar que os servidores que estão afetos a seu gabinete ou secretaria procedam à degravação, observando, nesse caso, as recomendações médicas quanto à prestação desse serviço.

Art. 3º Quando a testemunha arrolada não residir na sede do juízo em que tramita o processo, deve-se dar preferência, em decorrência do princípio da identidade física do juiz, à expedição da carta precatória para a inquirição pelo sistema de videoconferência.

§ 1º O testemunho por videoconferência deve ser prestado na audiência una realizada no juízo deprecante, observada a ordem estabelecida no art. 400, caput, do Código de Processo Penal.

§ 2º A direção da inquirição de testemunha realizada por sistema de videoconferência será do juiz deprecante.

§ 3º A carta precatória deverá conter:

I – A data, hora e local de realização da audiência una no juízo deprecante;

II – A solicitação para que a testemunha seja ouvida durante a audiência una realizada no juízo deprecante;

III – A ressalva de que, não sendo possível o cumprimento da carta precatória pelo sistema de videoconferência, que o juiz deprecado proceda à inquirição da testemunha em data anterior à designada para a realização, no juízo deprecante, da audiência uma.

Art. 4º No fórum deverá ser organizada sala equipada com equipamento de informática conectado com a rede mundial de computadores (internet), destinada para o cumprimento de carta precatória pelo sistema de videoconferência, assim como para ouvir a testemunha presente à audiência una, na hipótese do art. 217 do Código de Processo Penal.

Art. 5º De regra, o interrogatório, ainda que de réu preso, deverá ser feito pela forma presencial, salvo decisão devidamente fundamentada, nas hipóteses do art. 185, § 2º, incisos I, II, III e IV, do Código de Processo Penal.

Art. 6º Na hipótese em que o acusado, estando solto, quiser prestar o interrogatório, mas haja relevante dificuldade para seu comparecimento em juízo, por enfermidade ou outra circunstância pessoal, o ato deverá, se possível, para fins de preservação da identidade física do juiz, ser realizado pelo sistema de videoconferência, mediante a expedição de carta precatória.

Parágrafo único. Não deve ser expedida carta precatória para o interrogatório do acusado pelo juízo deprecado, salvo no caso do caput.

Art. 7º O interrogatório por videoconferência deverá ser prestado na audiência una realizada no juízo deprecante, adotado, no que couber, o disposto nesta Resolução para a inquirição de testemunha, asseguradas ao acusado as seguintes garantias:

I – direito de assistir, pelo sistema de videoconferência, a audiência una realizada no juízo deprecante;

II – direito de presença de seu advogado ou de defensor na sala onde for prestado o seu interrogatório;

III – direito de presença de seu advogado ou de defensor na sala onde for realizada a audiência una de instrução e julgamento;

IV – direito de entrevista prévia e reservada com o seu defensor, o que compreende o acesso a canais telefônicos reservados para comunicação entre o defensor ou advogado que esteja no presídio ou no local do interrogatório e o defensor ou advogado presente na sala de audiência do fórum, e entre este e o preso.

Art. 8º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

Ministro GILMAR MENDES

.

Fonte: Conselho Nacional de Justiça


Imagem Ilustrativa do Post: Posse na CNJ // Foto de: Superior Tribunal de Justiça // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/stjnoticias/29212179735

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


 

Por Antonio Graim Neto – 14/04/2017

A questão criminal já é, por si só, tumultuada. Quando envolve menor de idade, aí que a discussão se torna mais acirrada. Enquanto o Congresso Nacional enfrenta relevantes discussões a nível de reforma política, previdenciária, trabalhista e a retomada do crescimento econômico do país, a discussão sobre a redução da maior idade penal acabou sendo esquecida. Melhor assim.

Mas, enquanto isto, há uma grande imprecisão sobre como tratar a apuração de atos infracionais, do ponto de vista processual, pois o ECA, mesmo inaugurando dispositivos próprios, ora se reporta ao Código de Processo Civil, ora ao Código de Processo Penal, e o resultado disto é que há quem afirme que a Representação por ato infracional é uma ação de natureza civil. Este pensamento decorre de um raciocínio de exclusão, se não é crime não é processo penal, então cai na vala comum do processo civil.

Mas este reducionismo pode trazer graves prejuízos ao tratamento de questões importantes, pois, ainda que não seja crime, em seu sentido formal, há de se reconhecer que o ato infracional é algo que decorre de um injusto penal. Lembro que a teoria tripartida do crime limita a análise de questões fáticas ao fato típico e ilícito e que a união destes elementos forma o que se chama de injusto penal.

Esse injusto pode dar ensejo a três tipos de consequências: a pena para o crime, a medida de segurança para o inimputável por questões de saúde mental e a medida socioeducativa para o menor. Porém, todas são consequências que decorrem diretamente do injusto. Com isso é necessário que se reconheça que, em verdade, a natureza do ato infracional é a teoria do crime e, em função disto, deve estar muito mais ligada ao processo penal do que ao processo civil.

Vamos a um caso concreto. O menor é acusado de ter praticado um injusto e responde a todo o processo em liberdade, nenhum tipo de cautelar lhe é imposta. Ao final do estudo sóciopsicopedagógico, conclui-se que não há elementos que induzam a concluir que ele tenha praticado o delito, bem como a vítima teria revelado afetações psiquiátricas que comprometem a validade da sua fala. Contrariando todas as expectativas, o menor é condenado. A única coisa a ser feita é a apelação. Daí começam a surgir os problemas da confusão em relação a natureza jurídica do processo.

Isto porque, no processo penal, o efeito suspensivo é inerente ao próprio apelo, em virtude do estado jurídico de inocência, porém, sendo processo menorista, a priori, há de se requerer o óbvio, que era o efeito suspensivo. Em seguida a decisão não concede o efeito suspensivo ao argumento de que o Código de Processo Civil, em seu artigo 520 (antigo CPC) permite que não se atribua efeito suspensivo ao recurso quando a sentença confirmar os efeitos de tutela antecipada concedida nos autos.

Pergunta: que tipo de tutela antecipada pode ser concedida em uma representação por ato infracional? São institutos completamente incompatíveis, pois, mesmo não tendo a classificação de crime, trata-se de um injusto penal e, por isso, vigora o princípio da presunção de inocência e não há nem mesmo a possibilidade de se requerer tutela antecipada em um processo desta natureza. Note-se que nem mesmo eventual aplicação de medida cautelar não pode ter essa interpretação, pois em momento algum se destina a antecipar uma pretensão, mas visa apenas resguardar o processo.

Contra decisão desta natureza, agravo de instrumento. O que já revela a confusão processual, pois este recurso é oriundo do processo civil. Mas, e quando o recurso vier a ser negado, o que fazer? Não há mais recurso cabível. Quando isto acontece, se estivéssemos em um processo penal, o que seria feito? O óbvio: habeas corpus.

Mas o HC é instrumento próprio do processo penal, como enfrentar essa relação. Pois bem, o STJ já conheceu de habeas corpus para tratar justamente de questão como essa e, na oportunidade, decidiu que não se pode negar efeito suspensivo em apelação e se utilizar do argumento de que é possível fazê-lo diante de confirmação de tutela antecipada, pois além de tal não ocorrer, é impossível de ser aplicado, no procedimento em questão. Em síntese, o STJ determinou a atribuição de efeito suspensivo a apelação em Representação por Ato Infracional, através de Habeas Corpus.

A volta foi longa, a confusão é grande, mas estamos longe de uma definição a respeito do tema. No Tribunal de Justiça do Estado do Pará há uma Vara específica para julgar ações como esta, na Capital. Em outros Estados, há notícias de que sejam julgados em varas criminais. O que mais me preocupa não nem o nome que se dê ao juízo, mas, principalmente, qual o tratamento processual que o acusado receberá, pois, em uma situação como está poderíamos ter presenciado a aplicação de medidas socioeducativas sem que a culpa estivesse terminativamente formada e quando a apelação reconhecesse a necessidade de reforma da sentença, o tempo não voltaria para os que já a cumpriram. São questões até possíveis de se tratar no cível, onde a reparação é econômica. Aqui, uma vez cumprida a pena ou a medida, apenas desculpas restarão.

Diante disto, precisamos discutir com bastante responsabilidade a natureza jurídica de condutas desta natureza, mas sem praticar reducionismos teóricos ou tentar simplificar o que é complexo.


Curtiu o artigo???

Confira aqui a obra Punir É Um Direito Fundamental? Fundamentos da Pena a Partir da Teoria Geral dos Direitos Fundamentais do autor Antonio Graim Neto publicada pela Editora Empório do Direito!


Antonio Graim Neto.
.
Antonio Graim Neto é Advogado Criminalista. Professor de Direito Penal, Processo Penal e Criminologia. Mestre em Direitos Fundamentais.
.
.


Imagem ilustrativa do post: Interrogation Room Madness // Foto de: Shuayb Popat // Sem Alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/77122155@N02/7157502846

Licença de uso: https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


 

Por Paulo Silas Taporosky Filho – 12/03/2017

Situação 01: processo crime tramitando na comarca “X”; réu residindo na comarca “Y”; designada audiência de instrução; réu solto peticiona, por seu advogado, requerendo seja interrogado por precatória em sua cidade; juiz indefere e determina que o réu compareça em audiência, sob pena de revelia. Pode?

Situação 02: processo crime tramitando na comarca “X”; réu preso na comarca “Y”; designada audiência de instrução; para evitar custos com transporte, juiz determina de ofício que o interrogatório seja realizado por precatória. Pode?

Nos exemplos hipotéticos acima, nada longes da realidade, tem-se a questão do réu residindo ou preso em comarca diversa da qual tramita o processo. Pela regra, os atos processuais para com o réu serão procedidos mediante precatória. É o que prevê, por exemplo, o artigo 353 do Código de Processo Penal, o qual determina que a citação se dará por precatória nos casos em que o réu estiver em comarca diversa daquela em que tramita o processo. O mesmo deve se dar para com relação à oitiva de testemunhas e interrogatório de réu residente fora da comarca em que estiver o processo em trâmite, com a designação de audiência para tal fim no juízo deprecado. Simples, a não ser por algumas particularidades que merecem comento, com o fito de evitar a ocorrência das duas situações que iniciaram o presente escrito (porque não, não pode).

O chamado princípio da identidade física do juiz, identificado no § 2º do artigo 399 do Código de Processo Penal, estabelece que o magistrado que presidiu a instrução deverá ser o mesmo a proferir a sentença. Inobstante algumas ressalvas de ordem prática que, apenas a título de exceção, acabariam por afastar a aplicação concreta de tal princípio, tal deve ser a regra no processo. O motivo se justifica diante do fato de que o juiz que realizou a instrução processual foi aquele que teve contato efetivo com as provas produzidas, que acompanhou o caso “mais de perto”, que “viu tanto a cara quanto o coração”. Assim, mais justo e razoável que seja este o magistrado responsável por proferir a sentença no caso penal.

O réu, na circunstância em comento, pode acabar vendo vantagem (ou não) em tal situação. O juiz, ao ordenar o designar da audiência de instrução, determinará a intimação do réu e das testemunhas para que compareçam ao ato. Em respeito ao mencionado princípio, além de se tratar de um direito do acusado em ser interrogado pelo juiz da causa, o réu deverá (ou poderá) ser intimado para que compareça na audiência em questão. Como dito, esta é regra.

Sendo assim, na hipótese da “situação 02” aqui mencionada, o réu preso deverá ser conduzido para a comarca em que tramita o processo, a fim de que seja interrogado pelo juiz da causa. Precatória expedida para o interrogatório de réu preso, havendo discordância deste em tal sentido, não é ato processual legítimo, de modo que assim não deve ser procedido. Alguns argumentam em favor do interrogatório por videoconferência, que resolveria a celeuma de custos e demais diligências necessárias para com relação ao transporte do réu preso, porém, mesmo existindo diversas críticas pontuais contra tal método de interrogatório, não é o intento do presente escrito adentrar ao mérito desta proposta. A questão aqui exposta é que, querendo o réu preso ser interrogado pelo juiz da causa, deverá ser conduzido para a comarca em que o processo tramita para que assim seja procedido, até mesmo porque esta é a regra. É um direito do réu.

Já com relação ao exemplo mencionado na “situação 01”, a questão é diversa. Em que pese o interrogatório procedido pelo juiz da causa se tratar da regra, tem-se que tal regra é pautada em um direito do réu. Caso o próprio réu opte por abrir mão de tal direito, ou seja, preferindo que seja interrogado na comarca em que reside, a precatória para tal fim deverá ser expedida para tanto.

Vale lembrar que o réu pode inclusive deixar de comparecer à audiência de instrução, abrindo mão de sua defesa pessoal. E que não se fale em revelia, como equivocadamente alguns magistrados pontuam quando da inércia do acusado ou quando este não comparece em audiência de instrução. Diz-se aqui do processo penal, e não do processo civil. Desde que garantida a defesa técnica ao acusado, este pode desistir de exercer sua defesa pessoal, calando-se em seu interrogatório ou inclusive deixando de comparecer em audiência da qual foi intimado. Se desta forma pode proceder, obviamente também pode preferir evitar uma viagem para a comarca em que tramita o processo e solicitar que seja interrogado mediante precatória.

Assim, há equívocos em ambos os exemplos dados neste artigo (situações 01 e 02), cada qual com suas especificidades. O réu deve ser interrogado, em regra, no juízo de origem. Se preso, deverá ser conduzido até a comarca em que tramita o processo quando da audiência. Se solto, poderá se deslocar até a comarca da audiência, ou ainda pleitear para que seja interrogado na comarca em que reside mediante precatória com tal finalidade.

Sobre a pergunta constante no título do presente artigo: onde o réu deverá ser interrogado? Em regra, onde o processo estiver tramitando, ou ainda, caso assim o réu prefira, na comarca em que este residir.


Publicado anteriormente em: http://justificando.cartacapital.com.br/2015/12/07/onde-o-reu-devera-ser-interrogado


Curtiu o artigo???

Confira aqui a obra O Direito pela Literatura: algumas abordagens do autor Paulo Silas Taporosky Filho publicada pela Editora Empório do Direito!


Paulo-Silas-Filho-Foto-PNG

.
Paulo Silas Taporosky Filho é advogado, especialista em Ciências Penais, em Direito Processual Penal e em Filosofia, mestrando em Direito pela UNINTER, membro da Rede Brasileira de Direito e Literatura e membro da Comissão de Prerrogativas da OAB/PR.
E-mail: paulosilasfilho@hotmail.com
.


Imagem Ilustrativa do Post: interrogation-room-light.jpg // Foto de: r. nial bradshaw // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/zionfiction/8207511276

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


 

Por Leonardo Isaac Yarochewsky – 11/03/2017

O Deputado Federal Wadih Damous (PT-RJ) preocupado com a crise do sistema penal – repressivo, seletivo e estigmatizante – e com a trágica situação prisional do País, resultante da exacerbação punitivista e do vago discurso da impunidade que domina a sociedade brasileira atual, influenciada pela mídia criminológica – chegando ao absurdo de criminalizar condutas que sequer afetam bens jurídicos – reuniu vários especialistas em direito penal, processo penal e criminologia e, conjuntamente com eles, elaborou 11 projetos de lei que visam a efetivar os princípios constitucionais e resgatar um patamar mínimo civilizatório para o sistema de justiça criminal.

Segundo o Deputado Damous, “Os projetos de lei apresentados se dividem em 4 eixos fundamentais. Um primeiro é relativo às mulheres encarceradas e busca conferir um mínimo de dignidade em razão da maternidade. Outro eixo busca tornar o sistema de justiça criminal mais eficiente, resguardando e reforçando direitos e garantias individuais. Um terceiro trabalha com a Lei de Drogas, atacando uma de suas inconsistências na aplicação relativa a precariedade de provas nas condenações. E, um último, se relaciona com a execução da pena e prisão preventiva”.

Neste precioso espaço do Empório do Direito com a benção de Alexandre Morais da Rosa e de Aline Gostinski faremos nas próximas semanas, começando por esta, uma análise crítica dos projetos de lei apresentados pelo eminente Deputado Federal Wadih Damous (PT-RJ).

Análise do PL 7028/2017[1] – (des) ordem pública

Art. 1º. Altera o art. 312, da Lei 12.403 de 4 de maio de 2011.

“Art. 312 A prisão preventiva só poderá ser decretada nas hipóteses necessárias para afastar risco concreto à conveniência da instrução criminal ou à futura aplicação da lei penal, isso se existir prova da materialidade do crime e indícios suficientes de autoria”.

De inicio é imprescindível deixar assentado que a prisão preventiva é medida de exceção e extremada. Como tal, somente deve ser decretada em casos excepcionais e, mesmo assim, quando não há outra medida de caráter menos aflitivo para substituí-la (Lei nº 12.403/11). Diante do princípio constitucional da presunção de inocência a prisão preventiva como qualquer outra medida cautelar pessoal não pode e não deve ter um caráter de satisfatividade, ou seja, não pode se transformar em antecipação da tutela penal ou execução provisória da pena. Neste sentido já decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF):

A Prisão Preventiva – Enquanto medida de natureza cautelar – Não tem por objetivo infligir punição antecipada ao indiciado ou ao réu. – A prisão preventiva não pode – e não deve – ser utilizada, pelo Poder Público, como instrumento de punição antecipada daquele a quem se imputou a prática do delito, pois, no sistema jurídico brasileiro, fundado em bases democráticas, prevalece o princípio da liberdade, incompatível com punições sem processo e inconciliável com condenações sem defesa prévia. A prisão preventiva – que não deve ser confundida com a prisão penal – não objetiva infligir punição àquele que sofre a sua decretação, mas destina-se, considerada a função cautelar que lhe é inerente, a atuar em benefício da atividade estatal desenvolvida no processo penal. (RTJ 180/262-264, Rel. Min. Celso de Mello)

Daí a clara advertência do Supremo Tribunal Federal, que tem sido reiterada em diversos julgados, no sentido de que se revela absolutamente inconstitucional a utilização, com fins punitivos, da prisão cautelar, pois esta não se destina a punir o suspeito, o indiciado ou o réu, sob pena de manifesta ofensa às garantias constitucionais da presunção de inocência e do devido processo legal, com a consequente (e inadmissível) prevalência da ideia – tão cara aos regimes autocráticos – de supressão da liberdade individual, em um contexto de julgamento sem defesa e de condenação sem processo (HC 93.883/SP, Rel. Min. Celso de Mello).

Hodiernamente, tem sido recorrente motivar a decretação da prisão preventiva com base no mais deplorável de todos os fundamentos previstos no Código de Processo Penal (CPP): a “garantia da ordem pública”. Atrelado a este fundamento, costuma-se aludir ao “sentimento de impunidade e de insegurança na sociedade“.

Dos fundamentos previstos no Código de Processo Penal (CPP) para a decretação da prisão preventiva, a “garantia ordem pública” é sem dúvida o mais questionável, criticável, vago e impreciso de todos e, também, de duvidosa constitucionalidade para ensejar medida cautelar extrema.

Aury Lopes Júnior destaca que o conceito de “garantia da ordem pública” por se tratar de um conceito vago e indeterminado, serve a “qualquer senhor, diante da maleabilidade conceitual”. Mais adiante, o respeitável processualista informa que a origem do referido fundamento remonta a Alemanha na década de 30, período em que o nazifascismo buscava “uma autorização geral e aberta pra prender”. [2]

Conforme consta, também, da Justificação do referido Projeto de Lei,

Na Alemanha, o conceito de ordem pública tem sua origem histórica no estado de exceção e está intimamente ligado ao exercício da política. Em 1919, durante o conturbado período do entre guerras, o art. 48 da Constituição de Weimar estabeleceu, que no caso de perturbação ou “ameaça grave a segurança e ordem pública na República compete ao Presidente decretar as medidas necessárias ao restabelecimento da ordem e da segurança, mesmo com o recurso à forca armada”. E “para este fim, pode suspender, total ou parcialmente, os direitos fundamentais dos artigos… [3]

Flaviane de Magalhães Barros e Felipe Daniel Machado[4] observam que é necessário diferenciar a ordem pública do clamor social. A opinião pública – publicada – “geralmente influenciada pelos meios de comunicação, deseja a imediata prisão do suspeito numa espécie de vingança coletiva”, hipótese em que a prisão perde seu caráter de cautelariedade e se converte em antecipação de pena. A influência maléfica da mídia em processos penais de repercussão, que se transformam em verdadeiros espetáculos, é notória. Os princípios fundamentais que norteiam o devido processo legal (contraditório, ampla defesa, presunção de inocência, etc.) são abandonados e trocados pelo sensacionalismo, combustível natural para o “clamor público”.

Em seu instigante e indispensável “Guia compacto do processo penal conforme a teoria dos jogos”, Alexandre Morais da Rosa a partir da teoria dos jogos assevera que “as medidas cautelares podem se configurar como mecanismos de pressão cooperativa e/ou tática de aniquilamento (simbólico e real, dadas as condições em que são executadas). A mais violenta é a prisão cautelar. A prisão do indiciado/acusado é modalidade de guerra como ‘tática de aniquilação’, uma vez que os movimentos da defesa vinculados à soltura”. [5]

Em tese de doutoramento, Antonio Magalhães Gomes Filho afirma que:

À luz da presunção de inocência, não se concebem quaisquer formas de encarceramento ordenadas como antecipação da punição, ou que constituam corolário automático da imputação, como sucede nas hipóteses de prisão obrigatória, em que a imposição da medida independe da verificação concreta do periculum libertartis.[6]

No Estado de direito é inadmissível, intolerável e inaceitável flexibilizar direitos e garantias individuais em nome do combate deste ou daquele delito. A investigação, a acusação e o julgamento devem ser orientados pelos princípios do devido processo legal, do contraditório, da ampla defesa, da presunção de inocência, do juiz imparcial, da proibição de prova ilícita, da proporcionalidade etc.

Não é despiciendo salientar que 40% da população carcerária brasileira é formada por presos provisórios, sendo que muitos deles aguardam o julgamento há mais de ano. Não restando dúvida que a decretação da prisão preventiva fundamentada pelo arbitrário e vago conceito de ordem pública tem contribuído sobremaneira para o caos do sistema penitenciário.

Por tudo, para que seja posto um fim na absurda motivação para decretação da prisão preventiva – ordem pública – é que se espera e deseja que o Projeto de Lei 7028/2017 apresentado pelo Deputado Federal Wadih Damous (PT-RJ) se transforme, o mais breve possível, em lei. Somente assim o Código de Processo Penal poderá se adequar a Constituição da República.


Notas e Referências:

[1] http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1529115&filename=PL+7028/2017

[2] LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. 5ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

[3] MIRANDA, Jorge. Textos históricos do direito constitucional. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1990. p. 277.

[4] BARROS, Flaviane de Magalhães e MACHADO, Felipe Daniel Amorim. Prisão e medidas cautelares. Belo Horizonte: Del Rey, 2011.

[5] ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do processo penal conforme a teoria do jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

[6] GOMES FILHO, Antônio Magalhães. Presunção de inocência e prisão cautelar. São Paulo: Saraiva, 1991.


Curtiu o artigo???

Confira aqui a obra O Direito Penal em Tempos Sombrios do autor Leonardo Isaac Yarochewsky publicada pela Editora Empório do Direito!


Sem título-1

.
.
Leonardo Isaac Yarochewsky é Advogado Criminalista e Doutor em Ciências Penais pela UFMG.
.
.


Imagem Ilustrativa do Post: 20170310_133635 // Foto de: Carlos González Torres // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/151655284@N02/32517460014/

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


 

Por Willian Antonio Meotti – 02/03/2017

O termo “indiciado”, utilizado no Código de Processo Penal 19 vezes, sendo 10 delas no título II, qual seja “do inquérito policial”, encontra-se em descompasso com o atual ordenamento jurídico pátrio, o que se constatará por meio da breve análise a seguir.

Sabe-se que, sucintamente, o inquérito policial é uma sequência de atos (procedimento) de polícia judiciária, com intuito de elucidar fatos aparentemente criminosos – autoria e materialidade.

Importante consignar, nesse primeiro momento, a leitura moderna acerca deste procedimento, ou seja, o inquérito policial é (e deve ser) instaurado para elucidar os FATOS, sem que haja a necessidade da busca sagaz pela responsabilização do investigado.

Destarte, referido procedimento de Polícia Judiciária tem o atributo de ser útil para a acusação quando houver a deflagração de ação penal, bem como, eventualmente, para a defesa do investigado, sendo que esta poderá, até mesmo e ao contrário do que muitos pensam, “beneficiar-se” dos argumentos do Delegado de Polícia para o não indiciamento – fato atípico, presença de excludentes de antijuridicidade/culpabilidade ou ausência de indícios mínimos de autoria e materialidade.

A análise preliminar acima mostra-se fundamental para que possamos compreender exatamente a importância do ato, tendo em vista que, procedendo ao indiciamento, o Delegado de Polícia, obedecendo aquilo que dispõe o ordenamento jurídico, DEVE fundamentar a tipicidade (formal e material) da conduta, a ausência das excludentes acima mencionadas e, consequentemente, os indícios de autoria e materialidade.

A título de exemplo quanto à incoerência do termo “indiciado” no Código de Processo Penal, serão citados apenas dois artigos extraídos o referido diploma: a) art. Art. 6º, incisos V, VIII e IX; b) art. 14.

O primeiro artigo citado trata das medidas que devem ser adotadas pelo Delegado de Polícia assim que tiver conhecimento da prática da infração penal. Em seguida, nos incisos, é possível verificar a menção acerca da necessidade de ouvir o indicado (V), identifica-lo (VIII) e averiguar a sua vida pregressa (IX). Ocorre que, em todos os incisos, o termo correto seria “investigado” ou “conduzido”, sendo que este último, após a análise técnica-jurídica do Delegado de Polícia, inexistindo fato típico e sem a lavratura do auto de prisão em flagrante, sequer será investigado.

Isso porque, apesar de o Código Processual mencionar “logo após a prática de infração penal”, há casos em que se constata a ausência de tipicidade apenas durante a regular oitiva de eventuais conduzidos, ou seja, tem-se a não constatação de um fato que, aparentemente, era criminoso, motivo pelo qual o Delegado de Polícia exerce papel fundamental, funcionando como verdadeiro filtro em face de eventuais ilegalidades.

Portanto afirma-se a incoerência do adjetivo utilizado pelo CPP, tendo em vista que, mesmo não havendo momento exato para o indiciamento formal, tal ato se dá apenas quando presentes todos os requisitos elencados, isto é, quando o Delegado de Polícia, no início, meio ou ao final (regra) do inquérito policial, convence-se de que estão presentes indícios de autoria e materialidade.

Aliás, raras são as vezes que se pode formar a convicção no lapso temporal mencionado pelo CPP, qual seja: “logo que tiver conhecimento da prática da infração penal”.

Não havendo provas suficientes e hábeis a trazer à tona eventual infração penal (crime, pois contravenções são apuradas por meio de termo circunstanciado), o não indiciamento passa a ser um “deixar de” obrigatório para o Delegado de Polícia, observados os princípios basilares do Estado Democrático de Direito, nos termos da Constituição da República de 1988, evitando indiciamentos que possam causar danos irreversíveis.

Em que pese se tratar de procedimento investigativo, estamos diante de uma das fases da persecução penal e, pode-se dizer, o “ponta-pé” inicial para a deflagração da imensa maioria das ações penais.

Nesse ponto, podemos afirmar que o Código de Processo Penal encontra-se desatualizado e vai de encontro aos preceitos jurídicos atuais, especialmente aqueles estabelecidos pela Carta Magna e Lei Federal n. 12.830/13, uma vez que, diversas vezes, traz o adjetivo “indiciado” de maneira equivocada, antes mesmo de haver o convencimento da Autoridade Policial quanto aos indícios de autoria e materialidade.

Por meio da leitura dos dispositivos supramencionados, constata-se que o inquérito policial, naquele momento, carece de diligências (em andamento), ou seja, o Delegado de Polícia não formou a convicção necessária para indiciar eventual investigado.

Muitos poderiam afirmar que não há consequências jurídicas imediatas com o ato de indiciamento, pois bem, questiona-se: também não há tais consequências quando há uma denúncia oferecida pelo Ministério Público e não recebida pelo Judiciário? Ou, então, um réu absolvido mesmo diante do pedido de condenação formulado pelo Ministério Público em alegações finais?

Veja-se, não se quer, neste ponto, afirmar que o inquérito policial possui o status de processo judicial, mas sim que se trata de uma das fases da persecução criminal, sendo evidente no mundo jurídico o fato de que quase a totalidade dos processos criminais são oriundos de inquéritos policiais, daí a importância do ato de indiciamento.

A Lei Federal n. 12.830/2013 dispõe, em seu artigo 2°, §6º, que “o indiciamento, privativo do delegado de polícia, dar-se-á por ato fundamentado, mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria, materialidade e suas circunstâncias.”

A respeito do tema já se manifestou o Supremo Tribunal Federal: “o indiciamento de alguém, por suposta prática delituosa, somente se justificará, se e quando houver indícios mínimos, que, apoiados em base empírica idônea, possibilitem atribuir-se ao mero suspeito a autoria do fato criminoso” (STF, Medida Cautelar no Habeas Corpus nº 133.835, Min. Rel. Celso de Mello, j. 18/02/2016).

E, ainda, claramente tem sido reconhecido que o ato do indiciamento possui efeitos jurídicos imediatos, conforme se pode observar no julgado abaixo transcrito:

“PACIENTE CONDENADO PELA PRÁTICA DE CRIME DE ESTELIONATO. PENA-BASE FIXADA ACIMA DO MINIMO LEGAL. CUMPRIMENTO DO REGIME SEMIABERTO. Incensurável a dosimetria da pena, tendo em vista tratar-se de paciente com antecedentes desabonadores, consistentes em indiciamento em outro inquérito policial instaurado para apuração de crime da mesma natureza (contra o patrimônio). (RTJ 142/164 – ministro Celso de Mello). Habeas Corpus indeferido” (HC 72.463, relator ministro ILMAR GALVÃO. Grifei). 

Torna-se evidente que a medida adequada e nos termos da atual leitura Constitucional (CRFB 1988) seria a imediata renovação/alteração legislativa, com utilização adequada do termo “indiciado” no Código de Processo Penal, não o tratando de maneira genérica como referência a qualquer investigado e/ou conduzido.

Entretanto, mais uma vez (ao que tudo indica) a leitura moderna dos dispositivos inseridos no Código de Processo Penal quanto ao ato de indiciamento caberá aos aplicadores do direito, especialmente ao próprio Delegado de Polícia por meio de relatórios, manifestações e representações.


Notas e Referências:

PITOMBO, Sérgio Marcos de Moraes. O indiciamento como ato de polícia judiciária. Revista dos Tribunais, n. 577.

CONCEIÇÃO, Fabrício Santis. Delegado é o “Senhor da Tipicidade Penal”?. Disponível em <http://delegados.com.br/exclusivo/121-colunas/fabricio-de-santis/792-delegado-de-policia-senhor-da-tipicidade-penal>.

STEINER, Sylvia. O indiciamento em inquérito policial como ato de constrangimento – legal ou ilegal. Revista Brasileira de Ciência Criminais, v. 24, 1998, p. 307.

ANSELMO, Marcio Adriano. Ato de indiciamento deve ser devidamente fundamentado. Disponível em http://www.conjur.com.br/2015-out-13/academia-policia-ato-indiciamento-devidamente-fundamentado.

BRASIL. Lei 12.830 de 20 de Junho de 2013. Dispõe sobre a investigação criminal conduzida pelo delegado de polícia. Legislação Federal. Sítio eletrônico internet – planalto. gov.br.

BRASIL. Decreto-Lei nº 3.689 de 03 de Outubro de 1941. Código de Processo Penal. Legislação Federal. Sítio eletrônico internet – planalto. gov.br.


Willian Antonio Meotti.
.
Willian Antonio Meotti é Especialista em Direito Penal e Processual Penal. Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina.
.
.


Imagem Ilustrativa do Post: Kinky makes the world go round // Foto de: Jordan Gillespie // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/foam/8746269605

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


Por Paulo Silas Taporosky Filho – 05/02/2017

Forma é garantia. A instrumentalização do exercício da jurisdição através de um procedimento previsto em lei tem suas justificativas e razões de assim o ser. Longe de se tratar de mero formalismo que se ampara apenas na própria formalidade enquanto um discurso retórico. Os motivos que determinam a delimitação dos atos praticados pelo Estado a fim de apurar e constatar eventual autoria e materialidade com relação a um fato tido como criminoso são vários. A garantia dos direitos do acusado é uma delas – a principal. O caminho necessário para a aplicação de pena – dizem alguns. O meio devido para se apurar e concluir acerca de um fato tido criminoso e o responsável por esse – também poderiam dizer outros.

A questão é que seja qual for a base que se tenha ou se tome a fim de justificar o processo, tem-se que a previsão de atos preordenados a serem procedidos por meio do instrumento processual se trata de uma condição necessária para a formalização da jurisdição. Nisso todos os posicionamentos sobre o sustentáculo do exercício da jurisdição poderiam acabar concordando. Contudo, o problema passa muitas vezes a existir no tratamento que é dado quando do descumprimento desses atos preordenados. Num viés utilitarista, por exemplo, almejando-se um fim como acalentador de espíritos de uma sociedade, e não do acusado, o infringir de um regramento pode acarretar em… nada! Ora, já que a satisfação (gozo) se pauta no fim almejado pelo processo, pouco se importando com a figura do acusado nesse cenário e já que vale mais a “felicidade” de quase toda uma sociedade do que a de um único acusado, o “passar por cima” de um determinado procedimento pode ser visto como algo trivial. É justamente aí que o perigo reside.

É diante dessa possibilidade dada no exemplo (e se tem vários) que se questiona acerca das relativizações no âmbito do processo penal. Como dito, podem-se apontar para diversas vertentes justificadoras do processo. Porém, enquanto se observar tal questão no contexto em que aqui se situa, essas diversas vertentes passam a poder ser conjecturadas tão somente no campo hipotético, suposto. Diz-se isso pelo fato de que sempre haverá um balizador estrutural que prevê as possibilidades de direcionamento de suas ramificações. Esse balizador aqui mencionado se trata da Constituição Federal.

A partir do momento em que a Constituição define, alinha, traceja e delimita os caminhos que podem ser seguidos dali, não se pode mais falar que toda e qualquer tese justificadora do processo seja possível. No plano factual, concreto, os fundamentos da jurisdição penal estabelecem critérios que devem ser observados enquanto o processo posto em prática. É daí que se diz que forma é garantia. As previsões legais acerca da procedimentalidade processual possuem uma razão de constarem enquanto tal. A questão não é tão simples, claro, pois várias nuances surgem quando dessa análise, e muitas vezes o alinhamento necessário da Constituição Federal com processo penal não se evidencia pela análise do texto da norma. O problema é muito mais profundo. Daí a necessidade de se levar a sério a coisa toda, observando os aspectos principiológicos, fundamentais, fundantes, contextuais e vários outros.

Seguindo o direcionamento dado pela Constituição de maneira escorreita, não há como concordar ou permitir relativizações no âmbito do processo penal. A base fundante do sistema não permite. Por exemplo, se o artigo 212 do Código de Processo Penal determina que “as perguntas serão formuladas pelas partes diretamente à testemunha, não admitindo o juiz aquelas que puderem induzir a resposta, não tiverem relação com a causa ou importarem na repetição de outra já respondida”, não se pode cogitar que durante uma audiência seja procedido de maneira diversa à que estipula o código. Caso não haja respeito a tal determinação legal, tem-se esse ato como imprestável, devendo ser reconhecida a devida nulidade. Há várias outras hipóteses concretas nesse sentido. O que se diz é que violações de regramentos atinentes ao processo penal devem ter como consequência o reconhecimento desses atos como sendo nulos.

Ocorre que para “salvar” essa problemática, articulam com base em relativizações. Dicotomiza-se a nulidade, criando-se uma vertente chamada de “nulidade relativa”. É o amparo para o “pode tudo”. A pragmática e o utilitarismo entram juntos em campo e assumem as rédeas do jogo. São esses os paradigmas que passam a ditar as regras. Quando há o desrespeito para com a realização de um ato conforme seu regramento legal, analisa-se se essa não observância acarreta em algum dito prejuízo para o processo. E quando se chega nesse ponto já se misturou e confundiu tudo, de modo que a finalidade do processo pode passar a ser qualquer coisa. Eis quando a relativização se apresenta em sua mais sorrateira forma. É quando se pode tudo, pois aquilo que se descumpriu é dito como relativo em sua análise sobre a nulidade do ato. Tudo passa a ser relativo, pois o interesse principal no processo não é mais a efetivação dos direitos e garantias do acusado, mas sim o tal do bem maior que se diz buscar constantemente.

Quanto as relativizações no processo penal, tem-se muito o que lamentar!


Curtiu o artigo???

Confira aqui a obra O Direito pela Literatura: algumas abordagens do autor Paulo Silas Taporosky Filho publicada pela Editora Empório do Direito!


Paulo-Silas-Filho-Foto-PNG

.
Paulo Silas Taporosky Filho é advogado, especialista em Ciências Penais, em Direito Processual Penal e em Filosofia e membro da Rede Brasileira de Direito e Literatura.
E-mail: paulosilasfilho@hotmail.com
.
.


Imagem Ilustrativa do Post: Soldier Field // Foto de: munabril // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/munabril/7458164392

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.


 

Por Redação – 26/01/2017

Em vigor desde o fim de 2016, a Lei 13.344/2016 acrescentou dispositivos ao Código de Processo Penal que conferem aos Delegados, Promotores e Procuradores de Justiça a prerrogativa de requisitar dados e informações cadastrais de vítimas e de suspeitos de crimes ligados ao tráfico de pessoas, independentemente de autorização judicial.

Por essa razão, através da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5642, a Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel) argumenta que a lei contém vícios de constitucionalidade, uma vez que assente com o nítido esvaziamento da proteção constitucional à privacidade e ao sigilo das comunicações. 

A Acel alega que “a lei impugnada atribui aos membros do Ministério Público e delegados de polícia a discricionariedade de requisitarem informações e dados sigilosos, sem qualquer autorização judicial, informações cujo sigilo as associadas da Acel têm contratualmente e legalmente o dever de guardar”.

 

Fonte: Supremo Tribunal Federal


Imagem Ilustrativa do Post: celular // Foto de: Gabriel de Andrade // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/gaf/7518627/

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


 

Por Afranio Silva Jardim – 24/01/2017

1) O OBJETO DE NOSSA REFLEXÃO:

Importa salientar que este breve trabalho não tem a pretensão de retratar o sistema de prisão e liberdade provisórias, segundo disciplinado em nosso atual Cod. Proc. Penal. Ao contrário, denunciamos a falta de um verdadeiro sistema, pois as normas jurídicas ali existentes não se harmonizam, não permitem extrair uma lógica interna, inerente à ideia de sistema. Nada obstante, talvez possamos trazer algumas contribuições para futuros debates, tudo em termos doutrinários. Queremos acentuar que esta nossa reflexão não é definitiva, até porque, em Direito, nada pode ser definitivo.

Por outro lado, aguardamos a sanção de uma lei federal que discipline as chamadas “audiências de custódia” para inseri-las neste estudo. Sou plenamente favorável as “audiências de custódia”, mas entendo prematuro estudá-las sem um correta disciplina legal, até porque tem implicações processuais que podem alterar o sistema do Código de Processo Penal.

Sempre nos causou espécie a afirmação de grande parte da doutrina mais moderna no sentido de que a prisão em flagrante teria a natureza jurídica de medida precautelar. Ora, tal expressão só serve para afirmar que a prisão em flagrante, sendo “pré”, não é cautelar. Vale dizer, não explicita o que ela é efetivamente…

A assertiva de que a prisão em flagrante teria a natureza de medida de precautela nos faz lembrar da antiga “teoria” que dizia ter o processo a natureza de um “quase contrato”. Na verdade, aqui também não temos uma teoria, mas sim a negação de que o processo seja um contrato, sem se dizer a que categoria jurídica ele pertence …

Desta forma, passei a meditar sobre a prisão em flagrante, procurando depurar o objeto de nossa reflexão. Cheguei à conclusão de que o erro metodológico talvez esteja em misturar a própria prisão com a sua documentação (auto de prisão em flagrante) e também em misturá-la com os seus eventuais efeitos no processo, que dependem de futura decisão do juiz, tendo em vista a regra do art.310 do Cod. Proc. Penal. Nós mesmos incidimos nesta confusão, em textos anteriores.

Por tudo isto, o primeiro passo é conceituar o “instituto” da prisão em flagrante, consoante as regras constitucionais e processuais pertinentes. Para os fins deste trabalho, a prisão em flagrante é a supressão da liberdade individual de uma pessoa determinada, objetivando sua clausura ou outra medida de isolamento, nas hipóteses previstas no art.302 do Cod. Proc. Penal.

Questão interessante é saber qual o limite do legislador ordinário para “estender” a ideia de flagrante prevista na Constituição Federal (art.5º.LXI). Percebe-se, da redação dos incisos do mencionado art.302 do código, que o legislador mais se preocupa com a existência de crime e de prova da sua autoria (ainda que indiciária) do que se preocupa com o relevante dado temporário. Vale dizer, certo que ocorreu uma infração penal e a sua autoria pode decorrer das circunstâncias em que se deu a prisão. Agora, o elemento tempo vem através de expressões não muito definidas, como “acaba de cometê-la”, “é perseguido, logo após…” ou “é encontrado, logo depois …”. Trata-se de flagrante ficto e o que é presumida é a autoria do delito, consoante distinção do prof. Hélio Tornaghi. Julgo que o nosso legislador ordinário ficou perto do limite do razoável. O princípio da razoabilidade é que deve servir de parâmetro na espécie.

Não resta dúvida de que, respeitado o limite acima apontado, nem sempre de fácil mensuração, tudo o mais decorre de relevante opção legislativa, tendo em vista uma determinada política criminal, que deve se ajustar à ideia de Estado de Direito e de Estado Democrático. Queremos sustentar que a prisão em flagrante, neste primeiro momento, tem alguns traços de cautelaridade, embora não seja uma medida processual e muito menos uma medida judicial. Nas hipóteses do mencionado art.302 do Cod. Proc. Penal, temos uma razoável probabilidade de futura condenação e preocupação com a preservação dos elementos probatórios.

Nesta perspectiva, a prisão em flagrante é simplesmente um ato jurídico, vale dizer, uma conduta humana que produz efeitos jurídicos vários, sendo que tais efeitos não decorrem da vontade do agente, mas estão inarredavelmente previstos na lei. Por isso, não é um negócio jurídico.

Vale a pena reiterar: para extrairmos a natureza jurídica da prisão em flagrante temos que refletir sobre a prisão e não sobre a sua documentação, que é ato administrativo posterior. Ademais temos que distinguir os efeitos jurídicos da própria prisão, inclusive no plano processual, com os efeitos jurídicos que decorrem da sua sempre necessária documentação, através do respectivo auto de prisão em flagrante, que inicia o inquérito policial.

Neste sentido, sempre sustentamos poder existir prisão em flagrante mesmo nas chamadas infrações de menor potencial ofensivo. Tanto isto é verdade que a lei n.9099/95 prevê a sua documentação se o preso (autor do fato) se negar a comparecer em juízo na data designada. Nesta hipótese, pouco provável, o parágrafo único do artigo 69 desta lei especial manda ser lavrado o respectivo auto de prisão em flagrante.

Todo o nosso esforço aqui é no sentido de separar a supressão da liberdade de locomoção da lavratura do auto de prisão em flagrante e dos seus efeitos jurídicos futuros. É preciso distinguir a prisão, ato perfeito e acabado (legal ou ilegal), que quase sempre ocorre fora das dependências policiais, da sua sempre necessária documentação, bem como distinguir ambos de eventuais modificação de seus efeitos, seja pela autoridade policial, concedendo liberdade provisória mediante fiança, seja em razão de posteriores decisões judiciais previstas no sistema do Cod. Proc. Penal, conforme assinalado acima.

Note-se que a regra do parágrafo primeiro do art.304 do mesmo diploma legal permite à autoridade policial relaxar a prisão em flagrante, não recolhendo o conduzido à clausura. Há quem negue tal possibilidade, sustentando que, se ilegal a prisão, o delegado não deve determinar a lavratura do auto de prisão em flagrante, mas apenas liberar o preso. Ora, neste caso, houve também relaxamento da prisão, pois alguém que é levado preso à presença da autoridade é liberado por esta. Ademais, tal relaxamento se daria por ato oral e nada ficaria documentado para posterior fiscalização do Ministério Público e decisões judiciais, seja em relação à própria legalidade da prisão, seja em relação a eventual delito praticado pelo conduzido. Melhor é permitir que o delegado relaxe a prisão ilegal mediante decisão escrita e motivada, após colher a prova de como ela ocorreu e colher também a prova de eventual crime cometido pelo preso, tudo através da lavratura do auto de prisão em flagrante, que deve ser lavrado sempre.

De há muito sustentamos o que acima foi resumido, ao comentar uma inusitada ocorrência policial noticiada por jornais no Estado do Rio de Janeiro, Abaixo, transcrevemos o que sustentamos há décadas atrás.

2) A DOCUMENTAÇÃO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

Inúmeros conflitos entre a Polícia Judiciária e a Polícia Militar chegam ao conhecimento público através da imprensa. A sua maioria tem como objeto a prisão em flagrante delito. Policiais militares conduzem o preso à delegacia e a autoridade policial se nega a mandar lavrar o auto de prisão, por entender não ter sido ela efetivada em flagrante.

Tal ocorreu, tempos atrás, na 12ª Delegacia Policial, sendo o fato noticiado pelo Jornal do Brasil.
Na espécie, determinada autoridade policial negou-se a lavrar o auto de prisão em flagrante de uma pessoa presa por militares. Prevaleceu o entendimento do delegado, fazendo-se tão somente o registro da ocorrência, após consulta a assessores da Secretaria de Segurança Pública.

Na oportunidade, declarou a autoridade policial: “Somente o delegado tem competência para apreciar o fato policial e decidir o caso. À PM cabe apenas prender os infratores e conduzir o caso à autoridade competente”.
É de relevo notar que a prisão já houve. Ela se consumou fora das dependências policiais e deve ser consignada em peça própria. O auto de prisão apenas vem documentá-la, fazer dela memória no papel.

Assim, in casu, não importa se prisão foi ou não efetivada nas condições estabelecidas no art. 312 do Cod. Proc. Penal. De uma forma ou de outra, deve ser ela autuada até mesmo para que a ilegalidade da prisão fique provada e, ao ser o auto examinado pelo Ministério Público, possa ser devidamente processado aquele que prendeu com abuso de autoridade.

Fazer um simples registro, além de prejudicar a celeridade da apuração do fato, não se ouvindo o condutor, testemunhas e conduzido, acarreta grande risco para a própria autoridade policial, já que ela nada documenta e não poderá futuramente dizer quando e como se efetuou a prisão, para onde foi levado o conduzido logo após a sua captura e qual o tratamento que lhe foi dispensado.

A mera liberalização do conduzido preso é uma temeridade e não encontra apoio na lei processual. A atividade pública é pautada pelo princípio da escritura. Não se pode relaxar uma prisão sem antes documentá-la e senão através de decisão escrita e fundamentada.
O § 1º do artigo 304 do citado Código de Processo Penal, interpretado a contrario sensu, nos dá a correta solução para casos como este. Disciplinando o procedimento de lavratura do auto de prisão, consignou o legislador: “Resultando das respostas fundada suspeita contra o conduzido, a autoridade mandará recolhê-lo à prisão…”. Desta regra se conclui que o juízo sobre a legalidade da prisão já efetivada há de ser feito pela autoridade policial, após a lavratura do correspondente auto. Nada obstante, não se legitima a arbitrariedade. Caso a prisão não se tenha dado em flagrante delito, na forma do art. 302, o delegado de polícia, em decisão fundamentada, a relaxa (“não mandará recolher o conduzido à prisão”) e remete o auto ao Ministério Público, através do Poder Judiciário. O Promotor de Justiça, desta forma, poderá formar sua opinião sobre o delito em face da conduta praticada pelo conduzido e da prisão irregular.

Este é o entendimento do renomado Professor Hélio Tornaghi, in verbis: “Lavratura de auto de flagrante: tudo quanto houver sido narrado à autoridade policial deverá constar do auto de flagrante, que terá de ser lavrado sempre, ainda que a autoridade se convença de que a prisão foi arbitrária. Nesse último caso, como será explicado adiante, a autoridade não recolherá preso o conduzido, (art. 304 § 1º); mas a lavratura do auto é indeclinável desde que alguém tenha sido apresentado como preso em flagrante. O auto será instrumento hábil para documentar fatos que ocorram (a prisão de alguém, sua condução até a presença da autoridade, sua apresentação como autor do crime, etc.) e que tem relevância jurídica. Servirá ele, então, para que se possa aquilatar a responsabilidade de quem efetuou a prisão (art. 350 do C. Penal) e o acerto ou desacerto da autoridade policial”. (Curso de Processo Penal, São Paulo, Ed. Saraiva, 1980, 2º vol. p. 48).

Destarte, pode-se constatar que divergências como estas, entre as Polícias Civil e Militar, decorrem mais do desconhecimento do sistema processual do que do momento psicológico adverso que estão vivendo as duas necessárias instituições. A correta aplicação da lei evita traumas desnecessários e assegura a liberdade individual, frente à atividade persecutória do Estado.

3) A PRISÃO EM FLAGRANTE E A MODIFICAÇÃO DE SEUS EFEITOS NA NOVA SISTEMÁTICA DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL.

Antes da reforma de 2011, o antigo parágrafo único do artigo 310 Cod. Proc. Penal dispunha que a prisão efetuada em flagrante delito só seria mantida se o juiz verificasse a presença dos requisitos que autorizaria a prisão preventiva, caso estivesse solto o indiciado ou réu. Assim, a manutenção judicial da prisão pressupunha os requisitos das medidas cautelares pessoais. Daí porque sustentamos a natureza cautelar de tal prisão.

Entretanto, a atual redação do referido artigo 310 já não mais dispõe desta maneira. Em seu caput, elenca as medidas que o juiz deve efetivar diante do auto de prisão em flagrante (relaxar a prisão ilegal, converter a prisão em flagrante em prisão preventiva e conceder liberdade provisória, com ou sem fiança). A conversão da prisão em flagrante em preventiva somente deve ocorrer se as outras medidas cautelares não se mostrarem adequadas e suficientes.

Assim, não mais se exigindo a presença dos requisitos da prisão preventiva para manutenção da prisão em flagrante, não mais sustentamos que a sua manutenção tem natureza cautelar. Aliás, salvo nas hipóteses que abaixo vamos apontar, onde a prisão em flagrante pode ressurgir, ainda que por pouco tempo, a prisão em flagrante será desconstituída ou substituída, nos termos de atual art.310 do Cod. Proc. Penal.

No parágrafo único deste art.310, o legislador permite ao juiz conceder liberdade provisória ao preso, sem fiança, quando presente uma excludente de ilicitude. Neste caso, tal liberdade é vinculada ao dever de comparecer a todos atos processuais, SOB PENA DE REVOGAÇÃO. Uma ressalva: sempre entendemos que a presença de uma excludente de culpabilidade também deve autorizar a mesma liberdade provisória.

Aqui também vamos encontrar uma falta de lógica, pois se temos prova de uma excludente de ilicitude (e também de culpabilidade, para nós), o correto seria conceder liberdade plena (não vinculada) ao indiciado ou réu. Nesta hipótese, o mais provável é a sua absolvição, nada obstante a prova da autoria da infração penal.

Cabe notar ainda que o professor Gustavo Badaró, no seu excelente livro intitulado “Processo Penal”, S.P., Elservier, 2ª.edição, 2014, p.733, assevera que o juiz poderá ainda soltar o preso, sendo legal a prisão, desde que não haja necessidade de imposição de qualquer medida cautelar (liberdade plena, não vinculada a deveres processuais). Entende ainda o professor da Universidade de São Paulo que a liberdade provisória é vinculada a determinados deveres processuais (p. 792).

Diante deste quadro, parte da doutrina mais recente, além de negar a natureza cautelar à prisão em flagrante, descarta ser ela título autônomo de mais uma das espécies de prisão provisória, pois, ou será desconstituída pelo juiz pelo relaxamento, caso ilegal, ou será substituída por uma das medidas cautelares elencadas no art. 319 do CPP. Daí surgir a já criticada expressão de medida de precautela. Ressalte-se que este não é o entendimento do amigo e parceiro prof. Pierre Souto Maior Coutinho de Amorim, manifestado na 13ª. edição de nosso livro Direito Processual Penal, Rio, 2014, Lumen Iuris, p.420 e segs.

Fazendo-se uma interpretação mais profunda das várias regras que tratam da prisão e da liberdade provisória, constata-se que a reforma de 2011 não depurou os equívocos sistemáticos existentes e ainda criou outros problemas desta ordem. Não cabe aqui exaurir o tema, mas apenas apontar as controvérsias que surgem da má regulamentação dos efeitos da prisão em flagrante e o tratamento da liberdade provisória, com ou sem fiança.

Em um primeiro momento, pode parecer que cessam todos os efeitos jurídicos e fáticos da prisão em flagrante a partir das decisões previstas no citado art.310. Sem dúvida, quando o juiz relaxa a prisão ilegal, converte esta prisão em preventiva ou em outra medida cautelar, ou mesmo quando concede liberdade provisória, com ou sem fiança, os efeitos da prisão em flagrante não se fazem sentir. Isto porque aquele que foi solto por estas decisões só poderá voltar a ser preso através de futura decretação de sua prisão preventiva, quando cabível, é lógico. Vejam-se as regras do art. 282, parágrafo quarto, art.312, parágrafo único, 343 e art.350, parágrafo único, todos do Cod. Proc. Penal. Entretanto, cabe algumas ressalvas a tal entendimento, conforme abaixo apontamos.

A maior parte da doutrina recente sustenta que não basta o descumprimento de algum dever inerente à medida cautelar que substituiu a prisão em flagrante para que se possa decretar a prisão preventiva, com fulcro nos artigos que acabamos de elencar, sendo necessários os requisitos dos artigos 312 e 313 do código. Ora, se for assim, a prisão preventiva teria que ser decretada de qualquer forma, não tendo qualquer relevância o descumprimento da outra medida cautelar pessoal.

Sendo desta maneira, vai aí mais uma crítica de cunho sistemático: que liberdade provisória é esta que não pode ser revogada? Liberdade que não pode ser revogada é liberdade plena. O que caracteriza a liberdade provisória é a sua vinculação a determinados deveres processuais que, se descumpridos, acarretam na sua revogação, restaurando a eficácia da prisão anterior. Vale dizer, a liberdade provisória, para ser realmente provisória, não pode desconstituir a prisão em flagrante. Caso contrário, temos uma liberdade plena.

Por outro lado, resta uma hipótese de liberdade realmente provisória que, sem perceber, o legislador deixou no código. Neste caso, caberá a revogação da liberdade provisória e não a decretação da prisão preventiva do réu. Será que salvamos o caráter provisório da liberdade e reconhecemos que a prisão em flagrante não foi desconstituída?

A possibilidade de revogação da liberdade provisória (e aqui ela é provisória mesmo) se verifica da regra do parágrafo único do art.310 do Cod. Proc. Penal.  Preso em flagrante, se o juiz verificar que o indiciado ou réu praticou a conduta típica justificado por uma aparente excludente de ilicitude, poderá “conceder ao acusado liberdade provisória, mediante termo de comparecimento a todos os atos do processo, SOB PENA DE REVOGAÇÃO” (grifamos). Nesta hipótese, revoga-se a liberdade provisória, ficando restabelecidos os efeitos da prisão em flagrante.

Certo que, revogada a liberdade provisória prevista no parágrafo único do art.310, a prisão em flagrante que se restabelece será substituída por uma das medidas cautelares pessoais elencadas no Cod. Proc. Penal. Entretanto, ainda que por breve lapso temporal (e o importante aqui para nós é a produção de efeitos jurídicos) os efeitos da prisão reaparecem para serem substituídos.

Julgamos ter ficado ainda um outro vestígio da permanência dos efeitos da prisão em flagrante por descuido do legislador que reformou parcialmente o nosso código. Dentro do capítulo intitulado “Da Liberdade Provisória, Com ou Sem Fiança”, encontramos a regra do art.340, que trata do reforço da fiança, determinado pelo magistrado. O parágrafo único dispõe expressamente: “A fiança ficará sem efeito e o réu será recolhido à prisão, quando, na conformidade deste artigo, não for reforçada”. Aqui também se restabelece a prisão em flagrante.  Julgo que o mesmo deve ocorrer nas hipóteses dos artigos 338 e 339. Nestes casos, embora não se cuide a rigor de revogação da liberdade provisória, fica demonstrado que a prisão em flagrante pode ser restabelecida, mesmo após os momentos processuais previstos no aludido art.310, ainda que ela possa, ao depois, voltar a ser substituída por outra medida cautelar,

Por todo o exposto, concluímos que a reforma do Cod. Proc. Penal, realizada pela lei n.12.403/2011, acabou com o pouco de sistemático que ainda podia se extrair dos artigos alterados ou revogados, “amesquinhando” a prisão em flagrante e quase que tirando integralmente da liberdade provisória o que lhe é característico: a provisoriedade (como medida de contracautela que era). Note-se que só apontamos algumas poucas incongruências da reforma, pois há muitas outras que poderemos apontar em um futuro estudo mais abrangente de todas as regras que tratam do correspondente “TÍTULO IX: da Prisão, das Medidas Cautelares e da Liberdade Provisória”. Até mesmo pela redação deste título, parece que nenhuma das prisões processuais são medidas cautelares (sic) … Como se equivocou o legislador!

Fica aqui a esperança de que o projeto do Código de Processo Penal, que ora tramita no Congresso Nacional, apresente um verdadeiro sistema para a Prisão Provisória e a Liberdade Provisória, corrigindo as diversas distorções atuais e que tal sistema retrate um desejado equilíbrio entre os direitos individuais fundamentais e a proteção de segurança devida pelo Estado a todas as pessoas.


Afranio Silva Jardim

.
.
Afranio Silva Jardim é mestre e livre-docente em Direito Processual Penal. Professor Associado da Faculdade de Direito da Uerj (graduação, mestrado e doutorado).
.
.


Imagem Ilustrativa do Post: O GIGANTE ACORDOU 19/06/13 // Foto de: Maria Objetiva // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/mariaobjetiva/9090834262

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.