Resenha do livro “Escudo de Vidro”, de Fernando de Castro Faria –...

Resenha do livro “Escudo de Vidro”, de Fernando de Castro Faria – Por Paulo Silas Taporosky Filho

Por Paulo Silas Taporosky Filho – 20/11/2016

Ousando com louvor em suas publicações, eis que a Editora Empório do Direito lança o seu primeiro romance: “Escudo de Vidro”. A história conta como autor Fernando de Castro Faria, juiz de direito e jurista, o qual tece uma salutar narrativa que prende a atenção do leitor do início ao fim do livro.

“Escudo de Vidro” não é um livro de direito, mas dada a formação do autor, o cenário forense se encontra ambientalizado na obra, tal qual John Grisham o faz em suas histórias. Daí que o leitor pode contar como pano de fundo (ou como o mote que dá o sustentáculo da obra) o cotidiano jurídico que é indispensável para a desenvoltura da interessante trama presente no romance.

O livro conta a história de Waldorf, um renomado advogado criminalista que ao retornar de uma viagem a lazer com sua esposa, depara-se com um caso peculiar: seu pai, um respeitado juiz de uma pequena cidade, vê-se envolvido numa constrangedora situação de suposta corrupção. O principal problema é que o juiz Freitas, pai de Waldorf, sequer imagina o motivo de ter sido vítima da injusta acusação, porém, considerando o fato de ter ocorrido um depósito num valor expressivo em sua conta bancária, a desconfiança se instaura contra o magistrado e este passa a sofrer com as mazelas acarretadas com denúncias do tipo. Sua honra entre em xeque.

Waldorf passa a ocupar uma situação peculiar, pois ao mesmo tempo em que pretende defender o juiz, reconhece que sua posição de filho pode acarretar na influência de inoportunas emoções, prejudicando assim o seu trabalho. A forma encontrada para resolver tal celeuma se dá mediante a contratação de um profissional de confiança de Waldorf, de modo que ambos passam a realizar a defesa do juiz Freitas. Desta forma, Waldorf tem alguém auxiliando para manter o foco na defesa processual de seu pai (não influenciado por emoções de cunho familiar), bem como pode prosseguir cumprindo com a sua abarrotada agenda profissional. Por ser um profissional reconhecido no ramo do direito penal, sempre está tratando de diversas causas.

Casos e causas são narrados ao leitor no decorrer da obra. A narrativa é bastante interessante nesse ponto, a saber, a história principal é intercalada com várias outras situações secundárias que são vivenciadas pelo protagonista. Acerto louvável do autor em assim proceder, vez que não segue com aquela falsa ideia vendida pela maioria das “histórias de tribunais” no sentido de que o advogado se dedica a uma única causa por vez. O personagem Waldorf retrata muito bem o cotidiano da advocacia criminal.

Para além das histórias propriamente ditas que são construídas no decorrer da obra, o autor transmite ainda diversas reflexões. Questionamentos morais, filosóficos, jurídicos e sociais se fazem presentes a todo instante. Tudo isso sem deixar o livro pesado. A leitura flui de modo bastante aprazível.

Como se dará a defesa do juiz Freitas? A inocência do magistrado será demonstrada? Waldorf manterá a razão em voga na condução dos processos em que atua? As respostas o leitor descobre em “Escudo de Vidro”. Vale conferir!


Curtiu??? 

A obra está disponível para venda aqui!


Paulo-Silas-Filho-Foto-PNG

.
Paulo Silas Taporosky Filho é advogado, especialista em Ciências Penais, em Direito Processual Penal e em Filosofia e membro da Rede Brasileira de Direito e Literatura.
E-mail: paulosilasfilho@hotmail.com.
.
.


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.