Precisamos falar sobre Direito, Literatura e Psicanálise

Precisamos falar sobre Direito, Literatura e Psicanálise

precisamos

Título: Precisamos Falar sobre Direito, Literatura e Psicanálise

Autores: Alexandre Morais da Rosa e André Karam Trindade

Código de Barras: 9789898823106

Páginas: 125 págs.

Esgotado

O livro que segue é o resultado das colunas semanais do Diário de Classe subscritas pelos autores. A ideia de selecionar e condensar, tematicamente, as colunas em um livro que tivesse por eixo Direito, Literatura e Psicanálise surgiu em face da realização das edições do Colóquio Internacional de Direito e Literatura (CIDIL) e, ainda, da fundação da Rede Brasileira Direito e Literatura (RDL). Não se trata, meramente, da simples reprodução de colunas virtuais, mas sim da articulação de uma leitura que possa dar sentido à narratividade decorrente da produção dos autores, em especial no tocante à interlocução entre Direito, Literatura e Psicanálise, não necessariamente nessa ordem. Como participantes das Jornadas anuais do Núcleo de Direito e Psicanálise da UFPR, aproveitamos os encontros para dialogar sobre temas atuais e de alguma maneira expor a nossa angústia, já que ela não engana. Decidimos, assim, costurar as colunas para que possam, quem sabe, nas intermitências dos silêncios e pontuações, fazer com que o sentido aconteça, em um diálogo incessante com o Outro e o outro. Precisávamos, também, acertar contas com o nosso desejo de ver as colunas ganharem vida em livros compartilhados, afinal de contas, de alguma maneira, as reflexões e pontuações apresentadas ganham o contexto de uma crítica radical.

Título: Precisamos Falar sobre Direito, Literatura e Psicanálise

Autores: Alexandre Morais da Rosa e André Karam Trindade

Código de Barras: 9789898823106

Páginas: 125 págs.

Introdução

Parte I – Direito com Desejo
Alexandre Morais da Rosa

1. O Professor de Direito que fala com as paredes e uma outra visão do Direito
2. Atenção ao voto vencido ajuda a aplacar fetiche da velocidade
3. Quando o julgamento acontece banhado por fofocas e teorias do Facebook
4. O professor de Direito foi derrotado pelo Facebook e pelo WhatsApp
5. Devemos superar os juristas que ouvem vozes e conversam com códigos
6. Se o jurista tem inconsciente, o diálogo com a psicanálise é fundamental
7. “Contrate um Seguro Afetivo antes que seja tarde demais”. Será preciso?
8. Entre famas e cronópios, mediação com Warat nos leva à literatura
9. Poder Judiciário não é capaz de salvar ninguém das próprias frustrações
Parte II – Algumas Veredas entre Direito e Literatura
André Karam Trindade

10. O direito e as invasões bárbaras
11. Vivemos tempos de patrulhamento (jurídico) à literatura
12. A remição da pena através da leitura neopentecostal
13. Woody allen e a (in)devida aplicação da teoria do domínio do fato
14. O homem honesto e as idiossincrasias do sistema
15. As charges da tragédia e os limites da liberdade artística
16. J. M. Coetzee: outro olhar sobre a censura (e o direito)
17. Antígona e o enterro do general que queimava bibliotecas
18. A “doutrina” de Paolla Oliveira e a lição de Julia Roberts
19. Do cubismo de Kelsen ao direito curvo de Calvo González
20. O dia em que o romance em cadeia virou cadeia sem romance
21. O retorno do você decide e o problema da fundamentação no tribunal do júri
22. A imoralidade da copa do Brasil e o direito de perder de cabeça erguida
23. Analfabetismo, vergonha e o direito após Auschwitz
24. O Projeto da remição pela leitura e o fantasma da Laranja Mecânica
Parte III – Flanando pelo e no Direito
Alexandre Morais daRosa / André Karam Trindade

25.Papai Noel existe e é multado pelos agentes de Brusque
26. O porquê não ao “Princípio” do Porque Sim! no Direito
27. Da Carnavalização do Direito ao Baile de máscaras no STF
28. A opacidade do direito a partir Da Lição de Carlos Cárcova
29. O Big Data e a Lógica da performance quantitativa no Poder Judiciário