O Outro Lado da Rua e a suspeita – Por Roberto Victor...

O Outro Lado da Rua e a suspeita – Por Roberto Victor Pereira Ribeiro

Por Roberto Victor Pereira Ribeiro – 26/07/2017

Regina é “Branca de Neve”, uma senhora de 65 (sessenta e cinco) anos e com muita energia ainda para gastar. Ela faz parte de um projeto voluntário da Polícia do Rio de Janeiro, onde idosos ajudam a fiscalizar e denunciar os delitos e os crimes que ocorrem sob o testemunho do Astro-Rei ou sob os encantos da Lua.

Branca de Neve é seu codinome ou nome de guerra da polícia. Sua outra colega de 69 (sessenta e nove) anos é “Patolina”.

Esse projeto de idosos fiscais criado na ficção do filme é comum em outros países, podendo existir, realmente, em algum Estado do Brasil ou no próprio Rio de Janeiro.

Nos Estados Unidos da América é muito comum se formarem as patrulhas dos vizinhos. São voluntários que ajudam na proteção e zelo dos ambientes de condomínios ou equipamentos públicos de uso da coletividade em geral.

No Nordeste brasileiro alguns Estados já possuem a “Ronda das Mulheres”, projeto esse que alista a cada dia várias voluntárias. Elas saem caminhando pelas ruas do bairro vigiando se há alguma violência doméstica contra mulheres, crianças ou idosos. Na primeira detecção acionam os agentes policiais para os procedimentos da Lei Maria da Penha.

Pois bem, Branca de Neve no seu mister de agente voluntária de fiscalização da Polícia Carioca consegue feitos inacreditáveis como, por exemplo, desarticular uma quadrilha especializada em exploração de menores nas boates de Copacabana. Em outro frame, por conta de sua astúcia e vigilância ela livra uma senhora bem mais idosa de ser violentamente assaltada por celerados que a espreitavam dentro do banco.

Porém, a situação mais crítica ainda estaria por vir. Em uma das suas triviais vigílias noturnas através de seu binóculo Regina se depara com um ato: homem alto e idoso aplicando injeção em uma mulher de 50 e poucos anos, arrumada com vestido de festa e aparentemente sã. Não pensa duas vezes e liga para a polícia denunciando. E ai estaremos diante de um assassinato a sangue frio? Um crime culposo? Método de eutanásia? Uma lesão corporal de natureza grave? E a invasão de privacidade? Se for apenas um fetiche do casal?

O fim desse enredo somente a polícia, a Regina e você, caro leitor, poderão desvendar ao término do filme.


Notas e Referências:

O OUTRO LADO DA RUA. Direção: Marcos Bernstein Produção: Colúmbia Pictures do Brasil. Elenco: Fernanda Montenegro, Raul Cortez, Laura Cardoso et al.. BRA, 2004, Drama, DVD, 98 min.


Roberto Victor Pereira RibeiroRoberto Victor Pereira Ribeiro é  Advogado, Jornalista, Escritor, Professor Universitário. Pós-Graduado em Direito Processual e em História do Direito. Presidente da Academia Cearense de Direito. Membro da Academia Cearense de Letras Jurídicas, do Instituto Brasileiro de Direitos Humanos, Ex-Juiz-Conselheiro do Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, secção Ceará, Diretor da Escola Superior de Advocacia do Estado do Ceará e autor das seguintes obras: O Julgamento de Jesus Cristo sob a luz do Direito; O Julgamento de Sócrates sob a luz do Direito; Questões Relevantes de Direito Penal e Processual Penal, Manual de História do Direito e Voando com os Deuses da História.


Imagem Ilustrativa do Post: binoculars // Foto de: Edith Soto // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/edith_soto/7271415680

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.