13/02/2015

Por Bruno Bortolucci Baghim e Eduardo de Lima Galduróz - 14/02/2015


O portal Pessoal dos Direitos Humanos é fruto de mais de dois anos de discussões - e lamentações - sobre o atual estágio dos Direitos Humanos no Brasil, recanto peculiar onde o pensamento conservador ainda tem enorme força, a despeito de todo o mal por ele causado desde a chegada de Cabral.

O atual momento é delicado, de enormes riscos às conquistas sociais e humanitárias até aqui alcançadas. Proliferam os oportunistas de sempre, adeptos do mais raso e inconsequente populismo, que defendem a relativização ou mesmo a supressão de direitos e garantias individuais, que são ardilosamente apontados como causadores dos problemas da sociedade brasileira. Grassa o sensacionalismo irresponsável de programas televisivos. Âncoras de telejornais pregam arrogante e impunemente o desrespeito aos Direitos Humanos, assim como certos colunistas de revistas de grande circulação. Como se não bastasse, elegemos um Congresso Nacional de maioria extremamente conservadora. E a ameaça aos avanços se tornam ainda maiores em razão da propagação do discurso reacionário por meio da Internet, especialmente por redes sociais.


Basta uma rápida olhada nas opiniões postadas, ou então nos comentários que se seguem a qualquer notícia relativa à criminalidade para entender que os Direitos Humanos no Brasil ainda estão distantes da compreensão da população em geral.
Logo, julgamos imprescindível fazer o contraponto. Que essa mesma ferramenta que propaga o discurso de ódio seja utilizada para transmitir a mensagem de defesa dos Direitos Humanos. Não há outro caminho a ser seguido.


Por isso criamos nossa página, aderindo à luta de pessoas como as que idealizaram o Empório do Direito.


Por fim, uma curiosidade: determinados a criar o canal, o nome “Pessoal dos Direitos Humanos” não poderia parecer mais adequado. Principalmente pela crítica implícita. Quantas vezes não ouvimos comentários irônicos, pejorativos, sobre o “pessoal dos direitos humanos”? Coisas do tipo “fala pro pessoal dos direitos humanos levar bandido pra casa” ou “Esse pessoal dos direitos humanos só serve para defender bandido”, dentre outras pérolas tão conhecidas de todos nós.


Assim, resolvemos orgulhosamente dar ao nosso portal o nome de “Pessoal dos Direitos Humanos”, com uma tênue esperança de que um dia essa expressão perca o sentido, graças à total absorção da noção de Direitos Humanos pela população.
Agradecemos aos amigos do Empório do Direito pelo espaço concedido, e nos colocamos à disposição para o debate e para a luta pelo Estado Democrático e Social de Direito.


__________________________________________________________________________________________________________________


 Site: www.pessoaldosdireitoshumanos.com


Página no Facebook: www.facebook.com/pessoaldosdireitoshumanos


__________________________________________________________________________________________________________________


brunoBruno Bortolucci Baghim é Defensor Público do Estado em São Paulo, membro do Núcleo de Combate à Discriminação, Racismo e Preconceito da Defensoria Pública, especialista em Ciências Criminais e Direito Constitucional.

 

 

 

Sem título-1Eduardo de Lima Galduróz é Juiz de Direito em São Paulo, membro da Associação Juízes para a Democracia - AJD e mestrando em Ciências Jurídicas.

 

 

_________________________________________________________________________________________________________________

Imagem Ilustrativa do Post: I Hate Easter On The Death Star

Foto de: JD Hancock

Disponível em: http://photos.jdhancock.com/photo/2009-04-11-203154-i-hate-easter-on-the-death-star.html

Sem alterações

Licença de uso disponível em: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode

 

O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.

Sugestões de leitura