Fundamentos para a reforma da Justiça Penal Coleção reflexões sobre a reforma da Justiça Penal – Volume I

Fundamentos para a reforma da Justiça Penal Coleção reflexões sobre a reforma da Justiça Penal – Volume I

Título: Fundamentos para a reforma da Justiça Penal; Coleção reflexões sobre a reforma da Justiça Penal – Volume I

Autor: Alberto Binder

Tradução: Augusto Jobim do Amaral

Organizadores: Leonel González Postigo Geraldo Prado Aline Gostinski

Código de Barras: 9788594770868

Páginas: 206

Valor: R$65,00 + Frete R$12,00

ISBN: 978-85-9477-086-8

COMPRAR

O abandono do sistema inquisitorial e sua substituição por um modelo acusatório constitui a peça central da reforma da justiça criminal ao longo dos últimos 25 anos na América Latina. (…) É por isso que (…) damos início a uma Coleção que tem como objetivo geral reposicionar e alimentar o debate sobre a necessidade de reforma da justiça penal no Brasil. (…) Ademais, esta Coleção tem dois objetivos específicos: por um lado, contextualizar os debates locais no movimento profundo que vem atravessando toda a região latino-americana; e, por outro, repensar a base de uma justiça penal de caráter acusatório, tornando visível que a dificuldade de sua instalação responde a uma configuração inquisitiva que vem sendo fortalecida há séculos. O convite ao leitor está feito. Não apenas para se envolver na leitura das obras da Coleção, senão para repensar e trazer novas ideias, reflexões e caminhos para a transformação definitiva do funcionamento cotidiano do sistema de justiça penal no Brasil.” (Leonel González Postigo, Geraldo Prado e Aline Gostinski na Apresentação da Coleção Sobre a Reforma da Justiça Penal) “Neste primeiro livro, Alberto Binder apresenta-nos um conjunto de trabalhos que abordam em profundidade as implicações do debate, projeto e implantação de uma reforma da justiça penal. O processo, que envolve uma política de longo prazo, requer uma visão abrangente que inclua todos os elementos que compõem esta agenda de trabalho. Assim, que este texto seja o primeiro da coleção e se estabeleça como um marco geral para os restantes trabalhos.” – Leonel Gonzalez Postigo

Título: Fundamentos para a reforma da Justiça Penal; Coleção reflexões sobre a reforma da Justiça Penal – Volume I

Autor: Alberto Binder

Organizadores: Leonel González Postigo Geraldo Prado Aline Gostinski

Código de Barras: 9788594770868

Páginas: 206

Valor: R$65,00 + Frete R$12,00

ISBN: 978-85-9477-086-8

ÍNDICE
 

CAPÍTULO 1 A FORÇA DA INQUISIÇÃO E A FRAGILIDADE DA REPÚBLICA . . . . . . . . . 15

  1. SISTEMAS JUDICIAIS E A FRAGILIDADE DA LEI . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
  2. ESPERANÇAS E FRACASSOS DO PENSAMENTO REPUBLICANO . . . 21

III. ESTRATÉGIAS DE MUDANÇA NO CAMPO DA JUSTIÇA PENAL . . . . 26

  1. OS TEMAS INEVITÁVEIS. AS PRÁTICAS IMPRESCINDÍVEIS . . . . . . . . 31
  2. O ajuizamento oral e público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
  3. As audiências preparatórias e a oralização dos recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
  4. As formas de reparação e conciliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
  5. As disputas particulares e sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
  6. O controle do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
  7. As saídas alternativas de baixa punição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
  8. As medidas administrativas necessárias para a organização do julgamento . . . . 37
  9. A flexibilidade da organização judicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
  10. A defesa pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
  11. Uma nova organização de promotorias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
  12. Os júris e a participação cidadã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
  13. ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, PRÁTICA DA ADVOCACIA E ENSINO UNIVERSITÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
  14. REFORMAS E CONTRARREFORMAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

VII. REFORMA JUDICIAL E POLÍTICA JUDICIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

VIII. CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

CAPÍTULO 2 A REFORMA DA JUSTIÇA PENAL NA AMÉRICA LATINA COMO POLÍTICA DE LONGO PRAZO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

  1. A POLÍTICA JUDICIAL COMO POLÍTICA DE LONGO PRAZO . . . . . 47
  2. DISCUSSÕES INICIAIS NO PROCESSO DE REFORMA . . . . . . . . . . . . 58

III. PRIMEIRA ETAPA DO PROCESSO DE REFORMA: REFORMAS DE PRIMEIRA GERAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

  1. PROBLEMAS NÃO RESOLVIDOS DA PRIMEIRA ETAPA . . . . . . . . . . . . 67
  2. SEGUNDA ETAPA: O PROJETO E A EXECUÇÃO DE REFORMAS DE SEGUNDA GERAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
  3. A PERSISTÊNCIA DE PROBLEMAS ANTERIORES E A APARIÇÃO DE NOVOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

VII. UMA VISÃO MAIS AMPLA: A TERCEIRA GERAÇÃO DE PROBLEMAS E DESAFIOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

VIII. CONCLUSÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

REFEFRÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

CAPÍTULO 3 ESTRATÉGIAS E PROCESSOS DE REFORMA NA JUSTIÇA PENAL E CIVIL . . 89

  1. O PONTO DE PARTIDA COMUM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
  2. OS DEBATES ESTRATÉGICOS E SEUS ATORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

III. A REFORMA DA JUSTIÇA PENAL: SEUS PROBLEMAS E OPÇÕES ESTRATÉGICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

  1. A JUSTIÇA CIVIL: A INDETERMINAÇÃO ESTRATÉGICA . . . . . . . . . 100

CAPÍTULO 4 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO: NOTAS PARA UMA EXPOSIÇÃO ORAL . . . . . . . . 107

CAPÍTULO 5 O EMARANHADO INQUISITORIAL: HISTÓRIA E TRADIÇÕES NA CONFIGURAÇÃO DA JUSTIÇA PENAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

  1. A importância de uma visão histórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
  2. O delito como desobediência (o direito penal infracional) . . . . . . . . . . . . . . . 124

III. A base conflitual no delito (o direito penal do conflito) . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

  1. O juiz como parte de uma maquinaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
  2. O modelo de juiz republicano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
  3. Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

CAPÍTULO 6 O SENTIDO DO PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE NO CONTEXTO DA REFORMA DA JUSTIÇA PENAL DA AMERICA LATINA . . . . . . . . . . . . . 149

  1. A NECESSIDADE DE AMPLIAR O CONTEXTO CONCEITUAL . . . . 149
  2. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE PROCESSUAL E DIREITO PENAL INFRACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

III. PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE E ULTIMA RATIO: PARADIGMA E PONTO DE PARTIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

  1. Princípio de ultima ratio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
  2. Princípio de mínima intervenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
  3. Princípio da não naturalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
  4. Princípio de Economia da Violência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
  5. Princípio da utilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
  6. Princípio de respaldo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

CAPÍTULO 7 TENSÕES POLÍTICO-CRIMINAIS NO PROCESSO PENAL . . . . . . . . . . . . . 183

  1. TENSÕES E OLHARES SOBRE O PROCESSO PENAL . . . . . . . . . . . . . 183
  2. POLÍTICA CRIMINAL E CONTEXTO SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192

III. POPULISMO, RETÓRICA E INFLAÇÃO PENAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195

  1. PROCESSO PENAL E POLÍTICA CRIMINAL: CINCO GRANDES TAREFAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
  2. Construir uma visão estratégica da persecução penal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
  3. Modernizar o sistema de investigação de delitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
  4. Evitar a sobrecarga endêmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
  5. Utilizar todos os recursos sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
  6. Uma vítima com direitos: ao resgate da ação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
  7. CONCLUSÕES: MÍNIMA INTERVENÇÃO. MÁXIMA PRECISÃO E EFICÁCIA. O CONCEITO DE EFICÁCIA NÃO VIOLENTA. . . . . . . 205