Da vez última em que me assassinaram na Terra das Araucárias: educação,...

Da vez última em que me assassinaram na Terra das Araucárias: educação, ordem e direito – Por Alfredo Copetti Neto e Alexandre Barbosa

Por Alfredo Copetti Neto e Alexandre Barbosa – 01/05/2015

É seu dever manter a ordem? É seu dever de cidadão? Mas o que é criar desordem, Quem é que diz o que é ou não? São sempre os mesmos governantes, Os mesmos que lucraram antes. Os sindicatos fazem greve Porque ninguém é consultado, Pois tudo tem que virar óleo Pra por na máquina do estado.                                                                                                                          (Titãs – Desordem)                                                                          

Em países – ditos – periféricos, na maioria das vezes, a educação sempre foi vinculada à ordem. A desordem sempre foi a desgraça. Desgraçados aqueles que não tiveram na ordem o seu cerne de vida. Assim nos criamos!!! Essa foi a linguagem adotada: ordem e linearidade para o sucesso educacional. O filho segue a ordem do pai e a educação está nela. Questionar e reivindicar rompe com a ordem e, logicamente, com a educação. O filho mal-educado é o filho desordenado, o teimoso.  Na escola a cartilha se repetiu, nos bancos das faculdades também. Assim se desenvolveu a educação, sectária, na história recente do Brasil, muito por conta dos fundamentos introduzidos no país pelos trinta anos de governos militares, mas não só deles… Não se questiona, não se critica, se aprende decorando, se repete nos exames o decorado e, assim, o cidadão, educado (sic.), se forma.

Porém, sobretudo agora, na época da redemocratização, o preço começa a ser pago. Descobre-se que educação e ordem, especialmente ordem hierarquicamente organizada, não estão ligadas como irmãs siamesas, talvez nem mesmo se relacionem de forma linear. Educação e ordem não falam a mesma lingua, não se alimentam e não se compreendem na mesma linguagem. A lição está dada: no dia no dia 29 de Abril de 2015, depois de muito anunciar, a ordem abdicou da educação, mostrou suas garras, mostrou o desprezo pela única forma capaz de civilizar adequadamente. Diante da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná, no Centro Cívico, em Curitiba     ,a ordem começou – ou está terminando – de assassinar a educação.

São as forças da ordem que estilhaçaram centenas de vidas dedicadas ao ensino. Em nome dela própria, a ordem, sob pretextos pífios dentro de um Estado de Direito, marcou profundamente a democracia e a liberdade. Não se sabe o por que, não se questiona. Se cumpre e, assim, se educa (sic.).

Neste envolvimento atualizado apareceu o ponto mais nefasto, hoje, repetindo o passado, se educa com a ordem da violência… E o pior de tudo, se educa assim por que sempre foi assim por aqui. Não se tem outra receita, não se tem outra perspectiva. A falta de sentido cívico impregnou o ambiente republicano e as instituições da ordem do Estado do Paraná, infelizmente, comprovaram.

Mais uma vez, a ordem, de forma violenta, matou a educação. E é por conta disso, que nos resta, como talvez único alento, recordar Quintana, pelo grito final da educação. Que assim diz:

                                                        Da vez primeira em que me assassinaram,                                                                                                                   Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.                                                                                                                       Depois, a cada vez que me mataram,                                                                                                                      Foram levando qualquer coisa minha.                                                                                                                           Hoje, dos meu cadáveres eu sou                                                                                                                       O mais desnudo, o que não tem mais nada.                                                                                                                    Arde um toco de Vela amarelada,                                                                                                                              Como único bem que me ficou.                                                                                                                         Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!                                                                                                                  Pois dessa mão avaramente adunca                                                                                                                      Não haverão de arrancar a luz sagrada!                                                                                                                   Aves da noite! Asas do horror! Voejai!                                                                                                                     Que a luz trêmula e triste como um ai,                                                              A luz de um morto não se apaga nunca!

E realmente não! A luz de um morto não se apaga nunca. Sempre resta algo, sempre sobra o não dito, o que está para além da ordem, o que não se permite enxergar de modo miope e deficitário.

O que nos resta é uma ação diferente. É necessário instruir adequadamente – entenda-se, sob a perspectiva do constitucionalismo contemporâneo, que nos envolve nas teias democráticas – com o apresentar, a essas pessoas que cresceram acreditando que a vida é feita de decorar fórmulas, em obediência cega, uma “nova” forma de ver os movimentos sociais. Manifestar-se publicamente, reivindicar o papel de constituinte originário e não ser alvejado por assumir uma determinada posição é, na mais singela palavra, DIREITO!

E, apesar de todas as mazelas, desta situação vexatória à República Brasileira, é necessário enfatizar, de modo eloquente, o dever fundamental da educação jurídica, na medida em que cabe sobremaneira a ela combater o abuso, a violência e os discursos supostamente jurídicos de justificação para a barbárie que se repetem e, de algum modo, se forjam também nos bancos acadêmicos. O ensino jurídico, em primeiríssimo lugar, é o ensino  de direito constitucional, pois é necessário que se compreenda, nos pagos mais distantes, por indivíduos leigos ou não, formados, estudados ou não, analfabetos (infelizmente ainda existem) ou não, que não há um só elemento  constitucional que seja suficiente a converter princípios ou regras à legitimação do que se viu, no dia 29 de Abril de 2015, na capital paranaense.

O estudante, e o estudioso do Direito, devem primar pela liberdade, de expressão, de manifestação ou de crítica. A ordem, no Estado Democrático de Direito, deve ser a de libertar e não de fingir que se liberta. Não cabe mais, entre nós, os argumentos decorados, das cartilhas de OSPB ou de Educação Moral e Cívica da década de setenta, controladas pela lentes do Estado.

Os fundamentos do viver em sociedade, hoje, precisam ter firme a predileção pela garantia dos direitos fundamentais ao que se denomina, equivocadamente, de “interesse público”. Este, inclusive, por sua generalidade fundante, justificou os sistemas políticos mais nefastos, como o do Terceiro Reich. O que é interesse público? É privar as pessoas de discordar do que lhe extraia direitos? É impedir o acesso à “casa do povo” – como alguns demagogos denominam as casas de leis, que “do povo” não tem nada – pelo simples motivo da não aceitação de uma deliberada ofensa legislativa à direitos constitucionalmente assegurados, como, a exemplo, os previdenciários?

Ficam as indagações. Porque as respostas baseadas em “achismos” irrefletidos e falsamente ideológicos, não se tem mais como aguentar.

E o aluno de direito? Onde entra nessa história? E o professor? Soluções fáceis de dizer, mas difíceis de fazer entender, por mais óbvio que pareça. Mas tentemos: o professor deve ser um indutor do pensamento crítico, não decorado e meramente reiterado, que permita ao aluno estabelecer seu próprio conhecimento a partir das experiências pessoais e sociais, com vistas a uma edificação do saber. Assim, e somente assim, saberá densificar as possibilidades e os limites que a Constituição quer efetivar.

O caminho é o da insistência, convicta e aprofundada, de uma construção educacional (jurídica ou não) que prestigie mais o “ser” do que o “ter”, e que favoreça mais o pensar crítico do que o redecorar de “cursos de baixa estatura acadêmica”, como bem diz um nobre professor do oeste do Paraná.

Com isso, talvez seja possível reencontrar o jeito de sorrir que, não somente Quintana bradou a perda, mas que todos nós, a passos firmes, de pois do que ocorreu, estamos forçosamente a perder.


Alfredo Copetti Neto é Doutor em Direito pela Università di Roma, Mestre em Direito pela Unisinos. Cumpriu estágio Pós-Doutoral CNPq/Unisinos. Professor PPG-Unijuí. Unioeste e Univel. Advogado OAB-RS.)                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

Alexandre Barbosa é Procurador do Estado do Paraná. Doutor em Direito pela UFPR. Professor da  Univel.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        


Imagem Ilustrativa do Post: Ides of March: (…) // Foto de: Dying Regime // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/dyingregime/16635437130

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode