Alternativas à prisão – Por Leonardo Isaac Yarochewsky

Alternativas à prisão – Por Leonardo Isaac Yarochewsky

Por Leonardo Isaac Yarochewsky – 21/01/2017

“Prisão é de fato uma monstruosa opção. O cativeiro das cadeias perpetua-se ante a insensibilidade da maioria, como uma forma ancestral de castigo. Para recuperar, para ressocializar, como sonham os nossos antepassados? Positivamente, jamais se viu alguém sair de um cárcere melhor do que entrou. E o estigma da prisão? Quem dá trabalho ao indivíduo que cumpriu pena por crime considerado grave? Os egressos do cárcere estão sujeitos a uma outra terrível condenação: o desemprego. Pior que tudo, são atirados a uma obrigatória marginalização. Legalmente, dentro dos padrões convencionais não podem viver ou sobreviver. A sociedade que os enclausurou, sob o pretexto hipócrita de reinseri-los depois em seu seio, repudia-os, repele-os, rejeita-os. Deixa, aí sim, de haver alternativa, o ex-condenado só tem uma solução: incorporar-se ao crime organizado. Não é demais martelar: a cadeia fabrica delinquentes, cuja quantidade cresce na medida e na proporção em que for maior o número de condenados.”[1]

Em “Punidos e Mal Pagos”[2], onde reúne uma coletânea de preciosos artigos, Nilo Batista, ao escrever sobre “alternativas à prisão no Brasil”, observa que até 1984 o sursis foi o único substitutivo penal em uso no Brasil – hoje o sursis é um “substitutivo de segunda linha”, já que há uma prevalência das penas restritivas de direitos e da multa substitutiva. Somente nos anos 70, informa Nilo Batista, notou-se um movimento de algo que poderia ser chamado de a “fuga da pena”. Este movimento, de acordo com o eminente penalista, emanava: do estado das prisões, da inflação penal e da critica do discurso penal tradicional. Para Nilo Batista

“a falácia do discurso penal tradicional minava tanto do irracionalismo retributivista quanto da hipocrisia preventivista; as finalidades reais da pena, ainda que ocultas pelo discurso, começavam a impor-se àquele esquálido esquema. ‘Só a pena necessária é justa’, dissera von Liszt em Marburgo; mas o problema é exatamente saber para quê e para quem a pena é necessária, quais os fins reais, e não ideológicos, por ela perseguidos, e quais os sujeitos históricos dessa necessidade”.[3]

Referindo-se à deslegitimação do sistema punitivo o saudoso criminólogo Alessandro Baratta notava que:

“assistimos hoje a uma crise irreversível da legitimação instrumental dos sistemas punitivos. A função de prevenção especial positiva (ressocialização do infrator), que foi a base dos programas de reabilitação nos Estados Unidos e na Europa nos anos setenta, pode ser considerada hoje como uma hipótese refutada pelos programas de pesquisa de controle. A função de prevenção geral negativa (objetiva a dissuasão dos potenciais infratores), na qual se baseia grande parte do consenso que ainda goza o sistema penal no sentido comum pode ser considerada, por sua vez uma hipótese empiricamente não verificada e impossível de sê-lo. A função de prevenção geral negativa é hoje sustentada, especialmente nos Estados Unidos, em duas formas alternativas ou complementarias: a ‘neutralização’ do infrator (incapacitation) e a ‘intimidação específica’ (specific deterrence).”[4]

Contudo, em razão da influência estadunidense em relação ao “grande encarceramento”, o Brasil, desprezando as importantes reformas que culminaram com a “nova Parte Geral” do Código Penal (Lei nº 7.209/84) e a Lei de Execução Penal (Lei nº 7.210/84), passou a adotar em razão do populismo penal, da influência perniciosa da mídia e da própria cultura do encarceramento que se expandiu, políticas criminais que levaram o país com 700 mil presos a ocupar o lugar da terceira maior população carcerária do Planeta. Toma-se como exemplos a Lei dos Crimes Hediondos (Lei nº 8.072/90) e a atual Lei de Drogas.

Maria Lúcia Karam em seu “De crimes, penas e fantasias”[5] observou que os aparelhos de propagando do sistema penal, desempenhado pelos meios massivos de informação, criam ou “fabricam uma realidade” manipulando dados e ocultando outros, “fortalecendo a crença no crescimento do perigo e da ameaça e estimulando os sentimentos de medo e insegurança”.

A publicidade enganosa observa Maria Lúcia Karam, “cria o fantasma da criminalidade, para em seguida, ‘vender’ a ideia da intervenção do sistema penal, como a alternativa única, como a forma de se conseguir a tão almejada segurança, fazendo crer que, com a reação punitiva, todos os problemas estarão sendo solucionados”.[6]

Desgraçadamente, os males da pena privativa de liberdade, embora conhecidos, são desprezados, e a prisão ainda é priorizada no país e no mundo. Constata-se uma grande resistência dos membros do Ministério Público e do Poder Judiciário em substituir a pena de prisão pela pena restritiva de direito. A prisão que deveria ser tomada como ultima ratio em razão do caráter subsidiário e fragmentário do direito penal é adotada como medida principal em afronta ao princípio da intervenção mínima.

Embora seja a privação da liberdade a consequência mais visível da pena de prisão, outros sofrimentos, algumas vezes obscuros, infligem ao preso agonias e amarguras até maior. A falta de privacidade, privação de ar, de sol, de luz, de espaço em celas superlotadas[7], os castigos físicos (torturas), a falta de higiene, alimentação nem sempre saudável, doenças inimagináveis[8], violência e atentados sexuais cometidos ora pelo próprio companheiro de infortúnio, ora pelos próprios carcereiros ou agentes penitenciários, a humilhação imposta, inclusive aos familiares dos presos, o uso de drogas como meio de “fuga”, etc.[9]

Ao chegar a uma das penitenciárias do Estado, o condenado perde, além da liberdade, o seu nome, que é substituído por um número de matrícula, muitas vezes perde sua roupa e recebe um uniforme, quando não perde todos os seus pertences pessoais para outros presos ou até mesmo para os guardas do presídio, enfim, perde o condenado na prisão toda a sua identidade, sua individualidade, sua honra, sua moral, seu orgulho e até sua personalidade é remoldada.

A prisão, salienta Ferrajoli, “é uma instituição ao mesmo tempo antiliberal, desigual, atípica, extralegal e extrajudicial, ao menos em parte, lesiva para a dignidade das pessoas, penosa e inutilmente aflitiva”. [10]

As palavras de Roberto Lyra sobre os malefícios da prisão merecem, apesar de longas, serem transcritas. Segundo o autor:

“a prisão é causa de doenças e vícios. Não é o lugar que vicia ou enlouquece é a condição, é a vida do preso. Doenças físicas e não somente morais e mentais. Ninguém contesta que a prisão enriqueceu o elenco psiquiátrico com a chamada psicose carcerária, psicose de situação, hoje redistribuída e rebatizada, e que propicia outras doenças e perturbações mentais, além de novos capítulos da patologia sexual. Pretende-se até generalizar o anexo penitenciário junto as prisões. O são fica meio louco. O meio louco fica louco por inteiro. E o louco? É preciso recorre ao superlativo. O ótimo torna-se péssimo e aprende a dissimular a maldade. A prisão, fábrica e escola de reincidência, habitualidade, profissionalidade, produz e reproduz criminosos, causa crimes e contravenções. O que ocorre é que infrações penais intramuros costumam ser toleradas ou tratadas como transgressões disciplinares pelo arbítrio criminoso da administração. Só aparecem os casos de homicídios e de repercussão inevitável. Os responsáveis ignoram ou oficializam crimes, por omissão ou mesmo por ação. Há crimes de funcionários contra preso (em regra impunes) e vice-versa, de funcionários e particulares (inclusive os presos) contra a administração e outros bens ou interesses jurídicos penalmente protegidos. Registram-se, também, relações e associações celeradas de dentro para fora e de fora para dentro. Planos de fuga e crimes, organizações de equipes, aperfeiçoamento em contato com os mais peritos. A prisão é o meio criminal por excelência.”[11]

É uma ingenuidade, uma ilusão acreditar que aquele que sobreviveu, muitos acabam morrendo na própria prisão, aos males indescritíveis do cárcere, sairá “ressocializado” e pronto para ser “reintegrado” a sociedade. Aquele que cumpriu pena privativa de liberdade estará fadado à marginalidade, estará estigmatizado pelos anos que lhe restam de vida.[12] A retribuição é de regra, desproporcional, desumana, sádica, humilhante e atroz, o que inviabiliza qualquer forma de “recuperação”, escondendo os verdadeiros propósitos e ideologia da pena.

Por tudo, urge que a prisão – enquanto não for definitivamente abolida – seja reservada apenas e tão somente para casos extremos, onde não seja, ainda, possível sua substituição por outra medida menos gravosa e que não ofenda a dignidade da pessoa humana. Assim, mais que “melhorar” a prisão é necessário substituí-la por algo menos cruel, aflitivo e humilhante.

.

Belo Horizonte, 20 de janeiro de 2017.


Notas e Referências:

[1] SILVA, Evandro Lins e. De Beccaria a Filippo Gramatica.  Sistema penal para o terceiro milênio. Rio de Janeiro: Renavan, 1991, p. 40.  Eugenio Raúl Zaffaroni afirma que: “A prisão ou cadeia é uma instituição que se comporta como uma verdadeira máquina deteriorante (…) O preso ou prisioneiro é levado a condições de vida que nada têm a ver com as de um adulto: é privado de tudo que o adulto faz ou deve fazer usualmente em condições e com limitações que o adulto não conhece (fumar, beber, ver televisão, comunicar-se por telefone, receber ou enviar correspondência, manter relações sexuais, etc.).” (ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdida: a perda da legitimidade do sistema penal. Trad. Vania Romano Pedrosa, Amir Lopes da Conceição. Rio de Janeiro: Revan, 1991, p.135).

[2] BATISTA, Nilo. Punidos e mal pagos: violência, justiça, segurança pública e direitos humanos no Brasil de hoje. Rio de Janeiro: Revan, 1990.

[3] BATISTA, ob. cit. p. 128-129.

[4]BARATTA, Alessandro. Funções instrumentais e simbólicas do direito penal. Lineamentos de uma teoria do bem jurídico, in Revista Brasileira de Ciências Criminais, ano 2, n. 5, janeiro-março de 1984, p. 17-18.

[5] KARAM, Maria Lúcia. De crimes, penas e fantasias. Niterói, RJ: Luam Ed., 1991.

[6] KARAM, op. cit. p. 201.

[7] Arminda Bergamini Miotto vê nas grandes penitenciárias, bem como na superpopulação carcerária fatores de incremento à reincidência, segundo a professora “nas penitenciárias de grande porte, geralmente situadas na região da capital para onde convergem todos os condenados da respectiva Unidade da Federação, lotando-as e superlotando-as, as circunstâncias fazem com que a situação seja essa, ainda que a administração entenda que deva ser diferente e deseje que possa sê-lo. Sem falar no que, ademais, costuma acontecer numa penitenciária de grande porte,  provavelmente superlotada, aí está uma relevante explicação para o tão grande número de reincidentes entre os egressos.” (MIOTTO, Arminda Bergamini. O controle social sob o ponto de vista criminológico. A prevenção da reincidência. In Revista de Informação Legislativa. Brasília, 22, out/dez. 1985).

[8] Sobre as doença na cadeia, o médico Drauzio Varella nos informa que: “As doenças de pele, por exemplo, epidêmicas nas celas apinhadas, compreendiam a dermatologia inteira: eczemas, alergias, infecções, picadas de percevejos, sarna e a muquirana, um ácaro ousado que se esconde nas dobras das roupas, capaz de saltar longas distâncias de uma pessoa à outra.” ( VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 91).

[9] Hulsman observa que: “o condenado à prisão penetra num universo alienante, onde todas as relações são deformadas. A prisão representa muito mais que a privação da liberdade com todas as suas seqüelas. Ela não é apenas a retirada do mundo normal da atividade e do afeto; a prisão é, também e principalmente, a entrada num universo artificial onde tudo é negativo. Eis o que faz da prisão um mal social específico: ela é um sofrimento estéril.” (HULSMAN, Louk e CELIS, Jacqueline Bernat. Penas perdidas: o sistema penal em questão. Niterói -RJ, Luam, 1993, p. 62).

[10] FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão: Teoria do garantismo penal. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2002.

[11] LYRA, Roberto. Direito penal normativo. Rio de Janeiro: Konfino, 1975, p. 184/185.

[12] Carnelutti observa que: “Ao aproximar-se do fim do período prisional, aguarda o sentenciado, com alegria, a liberdade. Ao sentir-se livre das grades, contudo, sente o seu drama: não consegue emprego, em virtude de seus maus antecedentes. Nem o Estado e nem o particular lhe facilitam uma colocação. A pena, portanto, não termina para o sentenciado.” (CARNELUTTI, Francesco. As misérias do processo penal. Trad. José Antonio Cardinalli. São Paulo: Conan, 1995, p. 8).


Curtiu o artigo???

Confira aqui a obra O Direito Penal em Tempos Sombrios do autor Leonardo Isaac Yarochewsky publicada pela Editora Empório do Direito!


Sem título-1

.
.
Leonardo Isaac Yarochewsky é Advogado Criminalista e Doutor em Ciências Penais pela UFMG.
.
.


Imagem Ilustrativa do Post: Cárcere = Tortura // Foto de: gaelx // Sem alterações

Disponível em: https://www.flickr.com/photos/gaelx/6568738109

Licença de uso: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode


O texto é de responsabilidade exclusiva do autor, não representando, necessariamente, a opinião ou posicionamento do Empório do Direito.